Postagens

Está Errado - Escolha de Obreiros

Imagem
O Pastor José Menezes (1896-1972) foi um dos grandes pioneiros das ADs Brasil e profícuo escritor pentecostal. Entre 1960 a 1973, foi comentarista das Lições Bíblicas da Escola Dominical da CPAD e colaborador do extinto Boa Semente e do Mensageiro da Paz. Paraibano de São Miguel de Taipu, Menezes tinha origens presbiterianas quando entrou em contato com as ADs em 1919. Por décadas serviu como obreiro em diversos estados do país e faleceu em 1972, na liderança da AD em Manaus. Além disso, o pioneiro foi um arguto observador das transformações sociais, litúrgicas e ministeriais das ADs. Algumas dessas observações sobre os rumos da denominação, ele deixou registrado em 1969, na coluna "Está Errado" do Mensageiro da Paz , na época, o principal mídia das ADs no Brasil. O ano de 1969, também marcava os 50 anos do ingresso de José Menezes na igreja pentecostal nascida em Belém do Pará.  Pastor José Menezes (1896-1972) Numa das edições do Mensageiro da Paz , Menezes tratou do tema:

AD em Cacoal - 50 anos de vitórias

Imagem
Cada história de uma Assembleias de Deus tem suas peculiaridades. No estado de Rondônia, a denominação possuí uma característica muito própria: ela surge quase sempre antes das instituições seculares. Quando a Assembleia de Deus nasceu em 1922, em Porto Velho, toda a região ainda pertencia ao Amazonas e Mato Grosso. Somente em 1943, através do Governo Vargas, que o antigo Território do Guaporé foi criado. Primeiro veio a igreja, depois a organização política e institucional. Durante longos anos, Rondônia (nome dado em homenagem ao Marechal Cândido Rondon, em 1953) foi uma parte do Brasil sem conexão direta com o próprio país no qual estava integrado. Seu acesso se dava primordialmente através dos rios da região amazônica. Pequenos povoados no interior da floresta, habitados por seringueiros, mineradores e tribos indígenas ocupavam a vasta imensidão da selva. A partir da década de 1960, com a abertura da BR-364, as pequenas vilas começaram a receber migrantes de todas as partes do Brasi

A Convenção Geral de 1999 - Mudança de Rumo

Imagem
A Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), realizada no Palácio de Convenções do Anhembi, em São Paulo/SP, entre os dias 11 e 15 de janeiro de 1999, foi marcada pela polêmica. Cyro Mello, antigo colunista do Mensageiro da Paz, chamou-a de "Convenção da liminar", onde os "discursos e assuntos discutidos ficaram 95% só para quem entendessem de leis". As liminares (ordem judicial provisória que analisa um pedido urgente) foram somente, a parte visível e pública das intensas disputas de bastidores pelo controle da Convenção Geral.  No Palácio do Anhembi em 1999, o Pastor José Wellington da Costa disputou à presidência da CGADB com o Pastor Túlio Barros Ferreira, da AD em São Cristóvão/RJ. O Pastor José Wellington confessou em sua biografia, que o Pastor Túlio foi seu "concorrente mais temido".  Meses antes da convenção se realizar, o Pastor Túlio distribuiu entre os ministros presentes em São Paulo um panfleto crítico à Mesa Diretora da Conve

Ministério de Perus – tensões e sucessão

Imagem
Em postagem anterior, destacou-se a origem e expansão do Ministério de Perus (no noroeste da cidade de São Paulo), cuja fundação aconteceu em 1947. Em princípio, a congregação era filiada a AD de São Caetano do Sul, entretanto, foi com o Pastor Benjamim Felipe Rodrigues que o núcleo pentecostal na região cresceu e ganhou sua identidade e autonomia. O Campo de Perus (como assim era chamado), porém, ao longo dos anos, manteve relações fraternais com Madureira, de onde era originário e participava da CONAMAD. A presença dos antigos líderes de Madureira era também constante nos eventos em Perus. Fotos da inauguração do histórico "Templo do Relógio", em 1976, são provas disso. Mas, assim como Madureira mantinha atritos com os Ministérios da Missão e lutava por espaço dentro da CGADB, o Campo de Perus, por sua vez, se sentia tratado como algo menor dentro da CONAMAD e sem chances de visibilidade. A luta para editar o periódico mensal O Arado , em 1990, foi um exemplo: a Mesa Direto

Sumário Histórico dos 20 primeiros anos da ADEPLAN

Imagem
Por Edson Lago Cruz* Impulsionado pelo Espírito Santo, o Pastor Geraldo Batista de Araújo, em companhia de um grupo de oito pessoas – nele incluída sua família (esposa e filhos), fundou no dia 07 de setembro de 1971, (a dois meses de atingir 50 anos) a Igreja Evangélica Assembleia de Deus do Planalto Central. A sede provisória ficava na Asa Norte, Plano Piloto em Brasília. A iniciativa “obedecia a visão celestial" na qual o Senhor ordenava ao Pastor Geraldo Batista de Araújo que “atravessasse o Jordão”. A primeira diretoria da ADEPLAN assim foi composta:  Presidente: Pr. Geraldo Batista de Araújo;  Vice-Presidente: Pr. Antônio Cardoso dos Santos;  Primeiro Secretário: Elionai Batista de Araújo (filho do Pr. Geraldo);  Segundo Secretário: José Arimatéia Fernandes da Silva;  Primeiro Tesoureiro: Alano Soares de Souza e como  Segundo Tesoureiro: Jemima Garcia de Araújo (filha do Pr. Geraldo e que posteriormente se tornou esposa do saudoso Bispo Daniel Malafaia). O Pastor Geraldo Bati

Jesuíno da Silva Lima – o pastor Brizolista

Imagem
Natural de São Luiz Gonzaga, município da região dos Sete Povos das Missões, no Rio Grande do Sul, o Pastor Jesuíno da Silva Lima foi um dos maiores líderes da Assembleia de Deus (AD) no Rio Grande do Sul, tendo presidido a Convenção das Igrejas Evangélicas e Pastores da Assembleia de Deus no Estado do Rio Grande do Sul – CIEPADERGS, por diversas vezes. Nascido durante a República Velha em 1913, e no domicilio eleitoral de um grande prócer das oligarquias da política nacional: o Senador Pinheiro Machado, Lima tinha uma origem social muito diferente da maioria dos membros das ADs da sua época. Vindo de uma família de estancieiros, proprietários de terras e gado e com boa instrução, na juventude viu o conterrâneo Getúlio Vargas chegar ao poder e por fim à República Velha em 1930.  Cercado de referências políticas, o jovem Lima conheceu o evangelho aos 20 anos de idade, em 1933. Após o casamento em 1944, começou a dirigir igrejas: Itacurubi e Cacheira do Sul foram as primeiras congregaçõe

110 anos das Assembleias de Deus - A CPAD no Rio de Janeiro

Imagem
A Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD) nasceu no dia 13 de março de 1940, ao ser organizada juridicamente no Rio de Janeiro. O Mensageiro da Paz (MP), as revistas “Lições Bíblicas” e alguns livros e folhetos, já circulavam pelas igrejas e eram confeccionados em gráficas particulares.  Antes disso, consta nos registros da CGADB realizada na AD de Belém do Pará, em 1936, a proposta do Missionário Nils Kastberg de fundar uma editora. O jornalista Emílio Conde, no Mensageiro da Paz , em 1938, também manifestou o desejo da criação de uma editora própria para as ADs.  Porém, foi por força de um decreto do presidente Getúlio Vargas, em 1940, exigindo o registro de todos os jornais no Departamento de Imprensa e Propaganda (D.I.P.), órgão que regulava a imprensa, que o sonho da editora virou realidade. Estabelecia o decreto, que somente entidades com personalidade jurídica poderiam possuir jornais.  Líderes das ADs homenageados em 1990, na CPAD Para não interromper a veiculação do j