Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2013

A sineta: um símbolo aposentado nas Assembleias de Deus

Imagem
As transformações que passam as Assembleias de Deus no Brasil não são só de ordem de usos e costumes, mas teológica, também. É consenso, que cada vez mais a famigerada teologia da prosperidade consegue adeptos e se implanta em vários ministérios assembleianos. Mas algumas mudanças, além das teológicas, são perceptíveis também na decoração, nos púlpitos e no acréscimo ou na falta de alguns objetos dentro dos templos das ADs.  Entre esses objetos, um que perdeu sua função foi a sineta. Sim, a sineta! Nada talvez, simbolize tanto uma era quanto ela, e seu desaparecimento fala mais do que as muitas analises teológicas e comportamentais dos novos tempos (e templos) assembleianos.  Dentro da liturgia das ADs, a sineta era o símbolo da ordem, a qual sempre deveria existir no andamento do culto divino. Iniciava-se muitas vezes os cultos com seu toque. Quando em algum momento da reunião, as atenções se dispersavam, ela era utilizada para dar chamar à atenção dos desavisados que o culto

Santa Catarina: uma convenção marcante em 1938

Imagem
Nesse ano de 2013, a Assembleia de Deus em Joinville completará 80 anos. A AD joinvilense foi uma das primeiras igrejas da denominação no Estado de Santa Catarina. Organizada em 1933, através do trabalho do simples, mas esforçado Manoel Germano de Miranda, a AD se desenvolveu de forma rápida, tornado-se referência na região norte do Estado. A foto que ilustra essa postagem é de 1938, ou seja, 5 anos após o início dos trabalhos na cidade e foi realizada durante uma convenção regional. Estiveram presentes nesse evento os famosos pregadores pentecostais Howard Carter da Inglaterra e Lester Sumral dos Estados Unidos.  Convenção em Joinville: presença de  Howard Carter e Lester Sumral   Os dois renomados pregadores estiveram meses antes na CGADB na cidade de São Paulo, e a convite do missionário Albert Widmer participaram da convenção regional em Santa Catarina. O encontro, deixa evidente a liderança e influência de Widmer na obra pentecostal catarinense nos seus primórdios.

Uma inauguração histórica da AD catarinense

Imagem
A revista A SEARA de março de 1969, trouxe em suas páginas um momento festivo e importante; a inauguração de mais um templo da Assembleia de Deus em Blumenau - SC. A escrita e as fotos, revelam o momento de alegria e grande participação dos líderes e membros da AD blumenauense. Fachada do templo e obreiros na AD em Vila Nova - Blumenau Satyro Loureiro e Antônio Lemos: pioneiros unidos em momento festivo Segundo informações do site da AD em Blumenau, a igreja na localidade de Vila Nova ainda é modesto. Conta atualmente com pouco mais de 129 membros. Porém, esse momento foi ímpar por reunir pioneiros das ADs em Santa Catarina. Uma recordação de um tempo e de uma época de dificuldades, mas também de vitórias.

Uma doce lembrança da juventude

Imagem
A revista A SEARA de julho/agosto de 1961 trouxe em suas páginas, uma matéria sobre o grupo de jovens da Assembleia de Deus em Joinville - Santa Catarina. Liderada na época pelo saudoso pastor Antonieto Grangeiro Sobrinho a reportagem - escrita pela sua filha Elda Grangeiro - destaca os trabalhos de evangelismo realizado pelos jovens, com cultos ao ar livre aos domingos, e reuniões de adoração no próprio templo central. A senhorita Elda destaca ainda a operosidade desse grupo em todos os setores da igreja. Irmãs Grangeiro: atuação marcante na AD em Joinville Evangelismo realizado pelos jovens ao ar livre em Joinville A família Grangeiro, de origem cearense, foi pioneira das ADs em Santa Catarina e trabalharam em diversas cidades, até que em outubro de 1957 pastor Antonieto assumiu a igreja em Joinville. No período em que atuou na cidade, foi eleito para ser presidente em da Junta Excecutiva da CGADB (1964-66), e é contado no livros História da CGADB da editado pela CPAD c

AD do Belenzinho: manifestação de apoio ao Regime Militar

Imagem
No último post, o assunto sobre o apoio das lideranças das Assembleias de Deus ao Regime Militar foi tratado a partir de um evento de jovens na cidade de Volta Redonda no Rio de Janeiro. Mais uma vez, aqui nesse blog, tomando com fonte o Mensageiro da Paz  (15 de fevereiro de 1973, p.12), o tema será discutido com base em uma celebração cívico-militar ocorrida na cidade de São Paulo, com a participação de um dos maiores ministérios da AD no Brasil. Por ocasião das comemorações dos 150 anos da independência do Brasil, a AD do Ministério do Belenzinho - SP organizou um desfile cívico pelas principais ruas da capital paulista. O desfile, como não poderia deixar de ser foi um primor de organização e civismo. Bandas, bandeiras, cartazes e hinos religiosos e pátrios deram ao evento um colorido todo especial. A manifestação terminou na Praça do Mercado, onde um culto cívico religioso se realizou. Matéria do MP sobre o desfile: "apoio incondicional ao Presidente Médici"

Congresso de jovens e a Segurança Nacional

Imagem
Como já foi exposto nesse blog, os evangélicos em geral apoiaram o golpe militar de 1964. Perceberam o acontecimento político como resposta de Deus ao perigo comunista. Foi dado ao evento, como observou Robson Cavalcanti, uma áurea de "sacralidade" e o apoio foi quase total. As Assembleias de Deus, através do Mensageiro da Paz  não se manisfestaram sobre os acontecimentos de 1964. Mas o posicionamento de sua liderança ficou muito evidente, seja no silêncio, ou em eventos oficiais da igreja, onde o apoio e alinhamento aos militares ficou muito explícito. Um exemplo disso, foi o VI Congresso da UMADER realizado em 1972. O evento (descrito no MP de junho de 1972, p.6-7), realizado na cidade de Volta Redonda, onde se encontra a famosa Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), foi considerado "o maior movimento de jovens no Brasil".  Pelo fato da CSN ser considerada "O Coração do Aço do Brasil", o Mensageiro da Paz, usando palavras de efeito disse que