Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2017

Rio 40 graus – Alcebiades no Distrito Federal

Imagem
"Rio 40 graus/Cidade maravilha/Purgatório da beleza e do caos"  – A música é de 1992, e faz referência, não só à temperatura média da cidade, mas também aos seus encantos naturais e, infelizmente, a constante situação de violência e abandono da sua população. No final da década de 1950, o pastor Alcebiades Pereira Vasconcelos sentiu ministerialmente a elevada temperatura das ADs no antigo Distrito Federal. Internamente, sérias questões com o presbitério de São Cristóvão; externamente, desentendimentos com o líder da AD em Madureira, Paulo Leivas Macalão. Convidado oficialmente por telegrama pela igreja de São Cristóvão, Vasconcelos conta que foi surpreendido com sua indicação à presidência da igreja pelo presbitério em 21 dezembro de 1957. Percebeu à força do ministério carioca naquele mesmo dia. Segundo conta em sua biografia, o missionário sueco Nels Nelson, então pastor da igreja, implorou: "Irmão Alcebiades, por favor aceite, porque caso contrário vai se

Bastidores das autonomias das ADs no RJ

Imagem
Em julho de 1959, os leitores do Mensageiro da Paz , foram informados sobre uma considerável reformulação administrativa na Assembleia de Deus em São Cristóvão (RJ), promovida na gestão do pastor Alcebiades Pereira Vasconcelos. Segundo o responsável pelas novas divulgadas no jornal, o pastor Antônio Gilberto, à cúpula da AD carioca, com o objetivo de "promover maior incremento na difusão do Evangelho e, progresso geral da obra de Deus", realizou sua Assembleia Geral Ordinária, onde "deliberou outorgar autonomia a doze de suas principais congregações, transformando-as em igrejas". Ainda, conforme Gilberto, "Tudo decorreu num ambiente da maior cordialidade, espiritualidade e compreensão". "A história oficial, seja religiosa, seja política" escreveu o saudoso poeta, jornalista e pastor Joanyr de Oliveira, é em parte "uma grande farsa". Quatro décadas depois, Alcebiades contaria em sua autobiografia o contexto das autonomias dadas

José Wellington – "não contavam com a minha astúcia"

Imagem
"Como é que nós perdemos o Belém para aquele menino? Onde é que nós estávamos?". Esse teria sido o comentário dos principais líderes das Assembleias de Deus no Brasil, ao perceber, que o comando do Ministério do Belém em 1980, foi para o "menino" José Wellington Bezerra da Costa, na época com 45 anos idade. Talvez, o vice-presidente do Belenzinho tenha sido subestimado, ou quem sabe, simplesmente encarado como um concorrente secundário na disputa. Mas a história mostra, que José Wellington não possui perfil para ser coadjuvante. Radicado na cidade de São Paulo desde 1954, Costa iniciou uma bem sucedida carreira de comerciante. Quase ao mesmo tempo ingressou no ministério. Dirigiu congregações, setores, secretariou a AD no Belém por uma década, até que em 1973, foi escolhido para ser vice-presidente do campo. JW: não contavam com a minha astúcia   Uma leitura atenta da biografia de José Wellington, escrita pelo jornalista Isael de Araújo, é suficie