sexta-feira, 6 de novembro de 2020

A recontagem dos votos na CGADB de 1983

O mundo acompanha com ansiedade a eleição presidencial nos Estados Unidos da América. De um lado, o atual Presidente dos EUA do Partido Republicano, Donald John Trump tentando a reeleição. Na oposição e, com grande chances de vitória está Joseph Robinette "Joe" Biden Jr.

O pleito está sendo marcado por polêmicas, acusações e ações judiciais. Trump, antes mesmo das eleições já falava em fraudes e em entrar na justiça contra supostas irregularidades. É o sistema democrático norte-americano sendo colocado à prova. Uma eleição disputada voto a voto e cheia de emoções.

Em 1983, na Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) realizada na AD em Aribiri, Vila Velha, no Espírito Santo, algo similar aconteceu envolvendo os dois principais líderes das ADs no Brasil na atualidade: o Bispo Manoel Ferreira e o Pastor José Wellington Bezerra da Costa.

Deve-se lembrar, que a CGADB em Vila Velha, em 1983, foi o primeiro concílio realizado sem a presença dos pastores Cícero de Lima do Belenzinho  e Paulo Leivas Macalão do Ministério de Madureira, que haviam falecido no ano anterior.

Manoel Ferreira e José Wellington

Havia também, uma enorme pressão para que o Ministério de Madureira perdesse sua unidade. Ferreira, assim como José Wellington, eram duas lideranças buscando afirmação e legitimidade entre seus pares. Assim sendo, os dois, mais Túlio Barros e Elizeu Menezes concorreram ao cargo máximo da convenção.

Nesse processo de fragmentação do lado dos Ministérios da Missão, a chapa de Madureira conseguiu êxito. O Pastor (na época não era Bispo) Manoel Ferreira venceu o pleito com margem apertada de 20 votos sobre o segundo colocado, o Pastor Bezerra da Costa.

Ferreira conta em suas memórias, que houve "um alvoroço" e José Wellington pediu a recontagem dos votos. Na recontagem, para surpresa do próprio líder do Belenzinho, a diferença entre os dois aumentou. Diante da situação, o Pastor José Pimentel de Carvalho de imediato proclamou a vitória da chapa de Madureira.

Naquele tempo pediram a recontagem dos votos. Ainda não tinham entrado no campo jurídico. Mas não demorou muito para que algumas eleições fossem parar nos tribunais da justiça secular. É a política secular e eclesiástica com meios idênticos para alcançar o poder. 

Fontes:

DANIEL, Silas. História da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.

FERREIRA, Samuel (org.) Ministério de Madureira em São Paulo fundação e expansão 1938-2011. Centenários de Glórias. cem anos fazendo história 1911-2011 s.n.t.

FERREIRA, Manoel. Bispo Manoel Ferreira: Vida, Ministério, Legado. Rio de Janeiro: Editora Betel, 2020.

2 comentários:

  1. Respostas
    1. E em 1985, na AGO que ocorreu no Templo Matriz das AD's Ministério de Anápolis-GO, A Madureira perdeu. Em 1988 foi promovido às mansões celestiais os Pastores Alcebíades de Vasconcelos (Presidente da CGADB) e seu vice, Pr. José Wellington Bezerra da Costa conclamou uma AGE pra resolver o dilema: O estatuto da CGADB não permite o ministro ser filiado a mais de uma Convenção Nacional, neste caso a CGADB e a CONAMAD (até então era tolerado) e, por maioria, os convencionais votaram pelo cumprimento do estatuto. Dai foi oportunizando aos Obreiros do Ministério de Madureira escolherem: Ou obedece ou se retira! Escolheram desobedecer e foram convidados a se retirarem: NÃO FORAM EXPULSOS como já vi Obreiro da Madureira falar.

      Excluir