segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Fotos e fatos das Assembleias de Deus - Pernambuco

Quando surgiu no final do século XIX, muitos acreditaram que a fotografia seria o “espelho do real”. Hoje a conceituação mudou. A fotografia congela um momento do tempo e espaço, mas é sujeita a interpretações e manipulações por parte de diversas mídias. Ela (a foto) pode reforçar ou mascarar realidades. A proposta nessa postagem é analisar algumas fotos históricas e refletir sobre os bastidores e desdobramentos históricos das mesmas.

A imagem abaixo é o registro do culto fúnebre do pastor José Amaro da Silva, que liderou a AD em Pernambuco de 1956 a 1977. José Amaro era um obreiro respeitado e dinâmico e seu desaparecimento repentino, em 14 de abril de 1977, além da grande comoção entre os assembleianos, causou, segundo Moisés Germano, uma "divisão branca" na igreja pernambucana.




Em reunião convocada no dia 04 de julho de 1977, sob a mediação do missionário Eurico Bergstén, a Convenção da Assembleia de Deus no Estado de Pernambuco (CONADEPE) teve que escolher entre três candidatos, o novo líder da AD. Vale lembrar que o pastor da AD no Recife é também o líder das ADs em Pernambuco.

Para a vacância de Amaro concorreram, a princípio, os pastores José Leôncio da Silva, Issac Martins Rodrigues e José Severino de Oliveira. Por razões desconhecidas, Oliveira foi impedido de concorrer e a disputa ficou entre José Leôncio e Issac Martins. Através de votação aberta, o pastor Leôncio venceu o pleito com 18 votos contra apenas 6 indicações do pastor Issac.

Diante do resultado, Issac Martins Rodrigues resolveu reivindicar autonomia para a CGADB. Criou-se assim o "Ministério" de Abreu e Lima, nomenclatura usada para nomear divisões entre as igrejas em determinadas regiões. Contornava-se, assim, o racha na denominação, sem afrontar a igreja principal do estado. O reconhecimento do novo ministério veio em 1981, por decisão da mesa diretora da CGADB.

Portanto, o registro do pastor José Leôncio conduzindo a liturgia do culto fúnebre do pastor José Amaro é emblemática. Leôncio estava cercado pelos principais líderes das ADs nordestinas. Eurico Bergsten, João Batista da Silva/RN, Rodrigo Santana/BA e Emiliano Ferreira da Costa/CE rodeavam o futuro líder.

À esquerda, o pastor Issac assistia a condução do ato. A foto em si é uma antevisão do que ocorreria nos próximos dias. O líder de Abreu e Lima ao não conseguir emplacar seu nome para a presidência das ADs pernambucana, transformou a igreja do município da região metropolitana do Recife num ministério autônomo.

Porém, longe de estar à margem dentro da denominação, o pastor de Abreu e Lima conseguiu destaque nas CGADBs e no Conselho Administrativo da CPAD, do qual foi presidente. Assim, o Mensageiro da Paz noticiava  as celebrações da AD em Abreu e Lima com o mesmo destaque recebido pela AD no Recife.

Portanto, os conflitos em Pernambuco já possuem mais de quatro décadas de duração e não têm previsão para acabarem. Mas são todos assembleianos...

Fontes:

ANDRADE, Moisés Germano de. "Uma história social" da Assembleia de Deus: a conversão religiosa como forma de ressocializar pessoas oriundas da criminalidade. Dissertação (Mestrado) - Universidade católica de Pernambuco. Pró-reitoria Acadêmica. Curso de Mestrado em Ciências da religião, 2010.

ARAÚJO, Isael. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.

DANIEL, Silas, História da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. Os principais líderes, debates e resoluções do órgão que moldou a face do movimento pentecostal brasileiro, Rio de janeiro: CPAD, 2004.

* Com informações de fragmentos do livro do Centenário das ADs no estado de Pernambuco.

3 comentários:

  1. A ânsia pelo poder naqueles tempos já era grande! O cara perdeu,não se contentou,queria ser presidente a todo custo. Será que o Samuel Câmara foi discípulo dele?

    ResponderExcluir
  2. Então no ES tbm temos outro discípulo, PR. OSCAR DOMINGOS DE MOURA conhecido como PASTOR MOURA. PASTOR MOURA, foi presidente há anos da CADEESO mas, no último pleito perdeu a presidencia da cadeeso para PASTOR ARNALDO CANDEIAS. PR MOURA aceitou o resultado e fundou outra convenção a "CONFRADEESTO",e assim vai.
    O sede do poder do ser humano não tem limite,pra ser o "primeiro".

    ResponderExcluir
  3. "PASTOR MOURA NÃO ACEITOU O RESULTADO DO ULTIMO PLEITO,NA QUAL O PASTOR ARNALDO CANDEIAS VENCEU AS ELEIÇÕES",CORREU E FUNDOU OUTRA CONVENÇÃO CONFRADEESTO. EU SÓ NÃO ENTENDI O "PORQUE " QUE A CGADB FILIOU ESSA NOVA CONVENÇÃO,SE "OS MOURAS" REBELERÃO E NÃO ACEITARAM A DERROTA NAS URNAS.PARECE UM BALAIO DE GATO,ESSAS CONVENÇÕES.

    ResponderExcluir