quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Paulo Macalão - entrevista histórica

Em novembro de 1979, o Mensageiro da Paz publicou um encarte especial para comemorar os 50 anos da fundação do Ministério de Madureira. Além das informações de praxe sobre o início dos trabalhos do pastor Paulo Leivas Macalão nos subúrbios do Rio de Janeiro, o Mensageiro trouxe uma entrevista com o próprio Macalão.

Na entrevista, conduzida e gravada em fitas cassetes pelo jornalista e pastor Geremias Couto, o mítico líder de Madureira opinou "com seu jeito simples, porém objetivo e sem meias palavras" sobre vários assuntos. Entre os temas tratados na matéria, selecionou-se aqui pontos interessantes por sua atualidade e controvérsias. Como descreveu Couto, as palavras do pastor Paulo fluíam "lentamente, revolvendo os fatos" que estavam em sua memória. Sempre é bom revisitar os pensamentos do memorável líder.

Pastor Paulo Macalão (1903-1982)

Ministério Feminino - Ao comentar sobre o eficiente trabalho da Confederação de Irmãs Beneficentes Evangélicas (CIBE), Macalão lembrou, que na Suécia existia um corpo de diaconisas que também realizava um grande trabalho social. "Somente no Brasil é que existe preconceito contra as diaconisas: 'Não pode; é pecado'".

É bom observar, que o Ministério de Madureira tem um histórico de forte participação feminina. Zélia, esposa do pastor Paulo, era muito atuante e durante 40 anos a irmã Estacília, uma migrante polonesa que começou a congregar em Madureira, desenvolveu um grande mistério de pregação e cura. Percebe-se que, nesse sentido, Macalão destoava da maioria do líderes das ADs. Por ele, as ADs teriam diaconisas sem problema algum.

Institutos Bíblicos - O líder de Madureira no passado foi contrário as escolas de teologia chamadas pejorativamente de "fábricas de pastores", mas acabou cedendo pela insistência de alguns dos seus obreiros. Mas fez uma ressalva: "Hoje acontece que as pessoas vão para os Institutos a fim de terem melhor cultura e o resultado é que ficam inchadas e perdem a graça de Deus" - comentou.

Simplesmente, o pastor Paulo manifestava o receio que muitos líderes tinham de obreiros não mais dependentes da unção divina e sim do seu próprio saber. Geralmente, esses novos líderes seriam os introdutores de "inovações" não muito bem-vindas na igreja. Contudo, em 1969, Madureira já havia fundado o Instituto Bíblico Ebenezer, o qual, em 1972, formou 78 alunos.

Doutrina - Couto aponta na entrevista uma conhecida característica conhecida de Macalão: a "ortodoxia doutrinária" (entendida como rigidez nos padrões morais e espirituais). O Ministério carioca sempre foi conhecido no passado por seu rigor na questão dos usos e costumes. O zelo do pioneiro em 1979 ainda estava presente no vestir e no comportamento dos membros de Madureira.

Sobre o assunto, Macalão foi direto: "A igreja deve continuar nos velhos princípios, conservando a sã doutrina. Nós temos que enfrentar o mundo. Senão, é melhor fecha-la". O pastor Geremias, velho conhecido do casal Paulo e Zélia, ainda tentou replicar: "Mas o mundo evolui, pastor Paulo?"

A resposta do líder assembleiano até hoje em conversas informais é relembrada por Couto: "Evolui como, para trás?". Na sequência veio a sentença memorável: "O mundo, portanto, 'evoluiu' para o pecado. A igreja deve evoluir para a santidade". É claro que a AD em Madureira não era a mesma das décadas de 1950 ou 60. Aliás, o Ministério sob a liderança de Macalão havia se transformado em muitas áreas. Contudo, o velho pastor ainda mantinha o conceito de que a igreja deveria se preservar do vale-tudo para alcançar ganhar almas e não deixar os ditames da Palavra de Deus.

Meios de Comunicação - Sobre a televisão, o pastor Paulo declarou ser a favor "para pregar o evangelho e não aos crentes". Para quem, no passado, foi contra o uso do rádio, a declaração era um avanço enorme. Ele, porém, deu o alerta: "Mas nós devemos evitar seu uso indiscriminado porque muitos dos seus programas seculares não trazem nenhum benefício".

Durante muitos anos ainda, a televisão seria alvo dos mais acirrados debates em nível nacional e local pelo Brasil. Entretanto, não tinha como se evitar o poder de penetração da TV nos lares e, assim como o rádio no passado, a sua utilização para o evangelismo.

Unidade - Ao término da conversa, Macalão (que ficou conhecido por abrir suas congregações em outros campos eclesiásticos) reflete sobre um tema importante na época e ainda atual: a unidade do movimento pentecostal. "Muitas vezes os irmãos estão com suas mentes discordantes uns dos outros. Mas Deus quer que eles se congracem".

Nesse período, o Ministério de Madureira já causava espanto por seu gigantismo e unidade. Na década seguinte, após o desaparecimento do mítico líder, seus sucessores fariam história com os pastores da Missão por disputas de cargos na CGADB. Na tranquilidade do seu gabinete, o pastor Paulo declarou: "Embora as igrejas estejam separadas no que tange à organização, espiritualmente, mentalmente, todas devem estar confraternizadas."

Hoje, 40 anos depois da entrevista, as palavras do pastor Paulo ainda continuam atuais e seus conselhos necessários.

Fontes:

ARAUJO, Isael. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.

DANIEL, Silas. História da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.

Mensageiro da Paz, novembro de 1979, ano XLIX, nº 1111 - Suplemento Especial - Cinquentenário da AD de Madureira.

Um comentário:

  1. O velho líder. Suas opiniões deveriam ser mais observadas pelos pastores atuais de Madureira.

    ResponderExcluir