A Catedral de Madureira - simbolismos e contrastes

Inaugurado com grande festa e pompa no dia 1º de maio de 1953, o templo sede ou a catedral da AD em Madureira, no Rio de Janeiro, segundo o sociólogo Gedeon Alencar, personificava em seu esplendor e imponência, o líder máximo do ministério carioca, o gaúcho Paulo Leivas Macalão.

Alencar, em seu livro Matriz Pentecostal Brasileira, aponta para o simbolismo dos templos da AD em Madureira e o da AD em São Cristóvão. O primeiro com seu estilo gótico, apontava para o conservadorismo de Macalão; o segundo, construído em 1970, com seu prédio de seis andares, dotado de elevador e estacionamento, revelava à modernidade do ministério da Missão.

Citada na extinta publicação Subúrbios em Revista, em 1955, à construção localizada na Rua Carolina Machado, foi descrita como "uma das mais belas obras de arte da Capital da República". A revista ainda informava, que o majestoso templo de Madureira, era uma das maiores e mais belas obras arquitetônicas das Américas e do mundo.


Para o historiador Maxwell Fajardo, enquanto os líderes do Norte/Nordeste enfatizavam o "mito da simplicidade", Macalão por ser de origem social abastada rompia com essas ideias dominantes no meio assembleiano e procurava dar ao Ministério por ele fundado projeção pública e social. Então, as discussões sobre o famoso templo, estavam (e ainda estão) para além dos estilos arquitetônicos. Falam muito da visões ministeriais opostas nas ADs no Brasil.

Na época, o belo e grandioso templo de Madureira, não contrastava somente com as expectativas estéticas dos templos da AD no norte do país. O Ministério mais próximo ao de Macalão no Rio, o de São Cristóvão, no mesmo período, possuía um edifício que ficava muito distante do projeto arquitetônico do pastor gaúcho.

No ano de 1945, à equipe da Revista da Semana, antiga publicação do Rio, visitava às dependências da AD em São Cristóvão. A reportagem descreveu o antigo templo do ministério carioca como um "sobrado cinza", idêntico "a muitos prédios do bairro". Internamente, notaram os jornalistas do periódico que "O templo é simples, de paredes nuas, sem requintes de arte ou florões de luxo."

Não dá para evitar comparações históricas e estéticas com Madureira, quando o jornalista registra o seguinte: "Não se nota aqui aquela grandiosidade constrangedora nos abate e nos oprime quando visitamos as velhas catedrais. Tudo é singelo e natural." Nada no templo em São Cristóvão em 1945, pelo menos na arquitetura, lembra o de Madureira em 1953, a não ser pela identificação: Assembleia de Deus.

Em Madureira, os vitrais, cujos desenhos lembram o Dia de Pentecoste com suas línguas de fogo reproduzidas nos vidros vermelhos; as flores estampadas no teto e paredes; e o piso com desenhos caprichados, era (e é ainda) a pompa e o fausto. Na AD em São Cristóvão, as paredes nuas, sem imagens coloridas, tudo era simples e claro. "O templo é amplo, mas sua estrutura arquitetônica, como todo o mobiliário, não apresenta retoques de luxo" - observou a Revista da Semana.

O contraste entre as sedes dos Ministérios era evidente. Mais uma vez, Macalão demonstrava seu perfil diferenciado nas ADs e, é claro, que tamanho luxo e imponência gerou muitas críticas dos opositores de Macalão. Por outro lado, na história assembleiana há relatos de verdadeiros milagres ocorridos durante o tempo da construção. 

Narrativas que serão relembradas na próxima postagem.

Fontes:

ALENCAR, Matriz Pentecostal Brasileira: Assembleias de Deus 1911-2011, Rio de Janeiro: Ed. Novos Diálogos, 2013.

ARAÚJO, Isael. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.

CABRAL, Davi. Assembleia de Deus: A outra face da história. 3ª ed. Rio de Janeiro: Editora Betel, 2002.

DANIEL, Silas, História da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. Os principais líderes, debates e resoluções do órgão que moldou a face do movimento pentecostal brasileiro, Rio de janeiro: CPAD, 2004.

FAJARDO, Maxwell. Onde a luta se travar: uma história das Assembleias de Deus no Brasil. Curitiba: Editora Prismas, 2017.

Revista da Semana. Rio de Janeiro, ano XLVI - nº 28 - 14/07/1945. pág.11-17, 50.

SUBÚRBIOS EM REVISTA. Rio de Janeiro. Ano VII. nº 78. Set.1955.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Flagrantes da cerimônia de diplomação dos novos bispos em Madureira

As Assembleias de Deus - títulos e honrarias

José Wellington – "não contavam com a minha astúcia"