terça-feira, 25 de março de 2014

Francisco Pereira do Nascimento: nascido para o pastorado

Túlio Barros, então pastor presidente da Assembleia de Deus em São Cristóvão assim declarou sobre a morte do pastor Francisco Pereira do Nascimento ocorrida em 1968: "O pastor Alcebíades certa ocasião disse: 'O Pereira nasceu para ser pastor'". Assim dessa forma, em uma frase objetiva e curta, que toda a simplicidade de vida e ministério do pastor Pereira foi resumida. 

Nascido em Santa Isabel do Pará, "Chico Pereira" converteu-se ao evangelho em 1929 na cidade de Belém, e cedo começou a se destacar nas pregações. Certo dia, o então pastor da AD em Belém missionário Nels Nelson recebeu em seu escritório o obreiro responsável pela congregação de Sacramenta, o qual lhe informou haver um novo convertido, que quando pregava toda a congregação louvava a Deus.

Pastor Nascimento e família: origem humilde no Pará 
Curioso com a novidade, o missionário Nelson resolveu conferir. Orientou para que o jovem obreiro fosse ordenado pregar no domingo à noite. Nelson foi até a igreja, porém não entrou de imediato. Ficou do lado de fora, embaixo de uma árvore, um pouco distante para ouvir o preletor. No meio da pregação, Nels Nelson entra, mas "Chico Pereira" não se intimidou e nem perdeu a compostura; continuou a pregar com a eloquência que lhe era própria. Ao final do culto, admirado com a ousadia do moço, Nelson pediu que lhe procurasse no templo central em Belém.

Sapateiro de profissão, Chico não possuía muito estudo formal, mas como muitos obreiros da sua época tornou-se um auditada e se aprofundou nos conhecimentos bíblicos. Procurava sempre se aperfeiçoar na língua pátria, pregando sempre com muita clareza. Atento a educação dos filhos, sempre corrigia-os em seu linguajar. Sua busca pelo conhecimento foi essencial para se sobressair como orador nas grandes concentrações da Sociedade Bíblica do Brasil. Em meio a pastores eruditos presbiterianos e batistas, pastor Nascimento sempre se destacava.

Segundo seu filho Jessé Sadoc, seu pai "discutia qualquer assunto, com brilhantismo, sempre expondo idéias próprias. Uma personalidade, muito atraente e agradável. Dr. Gueiros de uma família tradicional presbiteriana, era figura bem presente em nossa casa, para conversar assuntos em geral, na saída sempre os ouvi falar, quão agradável teria sido aquela tarde". Outra lembrança de Sadoc era do seu contato com os mais jovens: "era muito querido pelos jovens da igreja, por se relacionar naturalmente, com bastante humor, sem perder a seriedade. Foi exaustivamente convidado pelos políticos, para se candidatar, a cargos políticos, sempre declinando por sua missão maior".

Trabalhou como evangelista no interior do Pará e Maranhão. Percorria a pé grandes distancias e cuidou de várias igrejas. Ordenado ao ministério em 19 de março de 1934 continuou sua carreira, pastoreando igrejas no interior do Pará e outras de maior destaque como a AD em São Luis (MA), Manaus (AM) e a própria igreja-mãe em Belém (PA).

Pastor Nascimento também foi em três oportunidades (1953,55,59) presidente da CGADB. Em 1960 assumiu a AD em São Cristóvão (RJ) a convite do missionário Nels Nelson. Quando chegou encontrou animosidades ferrenhas entre os crentes de São Cristóvão e Madureira. Um clima tão pesado que os assembleianos de ambos os ministérios não se cumprimentavam nas ruas. Ainda segundo seu filho Jessé Sadoc, seu pai sempre falava que não existiam dois céus, e que não deveria haver divisões e animosidades entre as igrejas. Imbuído desse pensamento, estimulou com visitas e atividades conjuntas a união das ADs no RJ. 

Com a saúde precária, pastor Francisco foi jubilado em 1964, sendo substituído pelo pastor Túlio Barros Ferreira. Mesmo depois de jubilado atendia convites para ministrar por todo o Brasil. Amava pregar e ensinar a Palavra de Deus. Deixou saudades entre os familiares e amigos.

De tantas lembranças do saudoso "Chico Pereira" talvez uma das mais marcantes seja justamente a do filho do missionário Nels Nelson. Samuel Nelson considerava o fiel auxiliar do seu pai um dos seus melhores amigos. Lembra ele que na sua infância "pastor Francisco sentava numa cadeira, cruzava as pernas, me chamava, me fazia sentar no peito do pé dele e começava a movimentar os braços como se estivesse serrando e dizia: serra, serra, serrador..."

Francisco Pereira do Nascimento certamente como todo líder não foi uma unanimidade. Porém décadas após sua morte, a lembrança de um obreiro como ele, que era conhecido por ser um grande pacificador, pode servir de inspiração para muitos líderes assembleianos, os quais em meio as suas animosidades e ambições fragmentam ainda mais a denominação. Que se levantem outros "Chicos Pereiras" nas ADs em todo Brasil! 

Fontes: 

ARAUJO, Isael. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. 

Entrevistas com Jessé Sadoc (filho do pastor Francisco P. Nascimento) e Samuel Nelson, escritor, historiador da ADs no Brasil e filho do missionário Nels Nelson.

6 comentários:

  1. Ótimo relato! Parabéns pelo resgate destas memórias!

    ResponderExcluir
  2. HISTÓRIA DA ASSEMBLÉIA DE DEUS NO BRASIL!!!!

    ResponderExcluir
  3. Não se fazem mais "Francisco Pereira do Nascimento". A Assembléia de Deus no Brasil, para voltar ao que era, precisava de pastores como Chico Pereira, Alcebíades P. Vasconcelos, Estêvão Ângelo, Paulo Macalão e outros.

    ResponderExcluir
  4. minha avó conheceu o irmão Francisco quando jovem, sendo ele muito amigo da família. Pelo seu relato, era um homem simples, amoroso, camarada e bastante brincalhão.

    precisamos de mais obreiros assim, menos intocáveis. Forte abraço amigo!

    ResponderExcluir
  5. evanildo alves do nascimento13 de maio de 2014 14:18

    Bela historia de vida,dedicacao e religiosidade

    ResponderExcluir
  6. Fiquei extremamente feliz com essa leitura. Esse memorável homem de Deus era irmão do meu avô, saudoso Pastor João Queiroz Pinheiro.

    ResponderExcluir