segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Alfredo Reikdal - "assembleiano ortodoxo e sectário"

Alfredo Reikdal (1915-2010) liderou por 67 anos a Assembleia de Deus - Ministério do Ipiranga em São Paulo. Um verdadeiro recorde nacional e mundial (segundo sua biografia oficial). Construiu também uma trajetória ministerial interessante.

Reikdal nasceu no dia 14 de junho de 1915 em Tietê, município de São José dos Pinhais (PR). Converteu-se em 1929, aos 14 anos de idade quando a AD em Curitiba dava seus primeiros passos. Tempos depois entrou para a família do fundador da igreja, o pioneiro Bruno Skolimowski, ao casar com Tereza, a filha mais velha do pioneiro em 1935. 

Pelas mãos do sogro ingressou no ministério sendo consagrado pastor em 1939. Segundo Isael de Araújo, o jovem Alfredo tornava-se assim "o primeiro pastor das Assembleias de Deus no Estado do Paraná." Hoje seria visto como mais um caso de nepotismo, mas na época foi compreendido como necessidade de obreiros qualificados. O certo é que o missionário Bruno "não hesitou em consagrá-lo a pastor." 

Reikdal nas bodas de ouro do casal Skolimowski

Skolimowski ao chegar em São Paulo para liderar a AD no Belenzinho, também não hesitou em chamar Alfredo em 1942 para auxiliá-lo. Designado para assumir a AD no bairro do Ipiranga teve como missão superar uma grave crise ministerial. Em meio a sentimentos de rivalidade e oposição, Reikdal liderou interinamente a congregação com "amplos e irrestritos poderes administrativos". Tomou posse em julho de 1943. Agradou tanto que foi confirmado no cargo onde permaneceu por mais de seis décadas.

O início no Ipiranga foi de muitas dificuldades. A falta de trasportes na época, fazia a família pastoral percorrer vários quilômetros a pé para atender o trabalho. Mas a obra cresceu, ganhou autonomia, e várias igrejas foram abertas na cidade de São Paulo, no interior do estado e nas regiões de Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Goiás, e Distrito Federal. 

Defendeu institutos bíblicos nas ADs quando estes eram ainda chamados de "fábricas de pastores". Chorou certa vez ao ser impedido de defender os "temíveis" seminários na Convenção Geral. Rigoroso, não franqueava o púlpito a pregadores e cantores itinerantes. Criou em 1955, o Departamento de Assistência e Cultura", e 1956 abriu uma escola primária e curso de alfabetização para adultos. Projetos arrojados para a época. 

Bem sucedido e ousado no ministério, contudo Alfredo Reikdal não teve igual êxito na vida política partidária. Concorreu sem sucesso a deputado estadual em 1970 e 72, 78, 82, 86 e 90. Disputou o cargo de vereador nas eleições municipais em São Paulo em 1976 e 1989, mas não foi eleito. Ao aventurar-se nessa seara, não somente como membro, mas também como pastor foi chamado de "herege" e "excomungado por muitos."

Declarava-se um "assembleiano ortodoxo e sectário". Reprovava movimentos ecumênicos e muito menos inovações no meio assembleiano. Chegou a fundar a Convenção dos Ministros Ortodoxos da Assembleia de Deus no Estado de São Paulo e Outros (COMOESPO) por discordar dos rumos da COMADESP; entidade a qual era ligado.

Ao morrer em 2010, seu vice-presidente no Ipiranga assumiu o cargo. Ironicamente, Reikdal recebeu do sogro a igreja, mas não perpetuou a família no controle dela. Considerava-se "assembleiano ortodoxo e sectário", porém militou na política partidária quando isso ainda era um tabu nas ADs. Realmente uma personalidade paradoxal.

Fontes:

ARAÚJO, Isael. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. 

COHEN, Eliezer. E Deus confirmou os seus passos: biografia do pastor Alfredo Reikdal. São Paulo: s/e, 2006. 

6 comentários:

  1. TIVE O PRIVILÉGIO DE CONHECE-LO PESSOALMENTE QUANDO PERTENCIA A COMADESP EM UMA CONVENÇÃO NA IGREJA AD. EM SANTO ANDRÉ.JÁ BEM IDOSO MAS FORTE E VIGOROSO PREGOU UMA MENSAGEM COMO UM JOVEM.

    ResponderExcluir
  2. Foi um dos mais ilustres entre os pastores assembleianos.

    ResponderExcluir
  3. Esse faz parte da galeria dos grandes nomes da Assembléia de Deus no Brasil. Pena que não o conheci pessoalmente.

    ResponderExcluir
  4. Meu avô, pastor apolônio, trabalhou muitos anos ao lado deste grande homem de Deus. Passei minha infância congregando na AD Ipiranga. Sempre o admirei muito, bem como sua amada esposa, irmã Tereza Reikdal.

    ResponderExcluir
  5. Faço parte desse ministério à quase 15 anos, conheci pastor Alfredo já no final da vida, mas sempre ouvi falar muito bem dele, conheço pastor Alcides Favaro, segue os mesmos passos de seu antecessor, gosto mais ainda desse ministério pelo zelo que tem em guardar a santa palavra de Deus e preservar a sã doutrina,e graças à Deus não tem familiocrácia .

    ResponderExcluir