quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

As Assembleias de Deus Brasileiras: uma interpretação sociológica

A tese de doutorado do sociólogo Gedeon Alencar ASSEMBLEIAS BRASILEIRAS DE DEUS: Teorização, História e Tipologia 1911-2011, defendida no Programa de Ciências da Religião da PUC - SP promete - como outras obras do autor - polêmicas e várias discussões. Alencar já é bem conhecido no meio evangélico e assembleiano por suas pesquisas, livros e entrevistas, onde sempre levanta questões polêmicas sobre a história oficial da denominação.

Certa vez afirmou em entrevista que Gunnar Vingren não seria assembleiano nos dias de hoje. Sempre alertou para a constante mitificação dos fundadores da igreja, dois pioneiros esquecidos e vencidos dentro da denominação que fundaram, mas alçados ao posto de herois nas últimas décadas. Destacou o ministério de de Frida Vingren, esposa de Gunnar, mulher pregadora, ensinadora e líder, a qual foi rejeitada pelos suecos e pastores brasileiros.

Gedeon: sociólogo e estudioso das ADs no Brasil
Cearense, assembleiano de berço, o pai de Gedeon, o pastor José Freire de Alencar foi pioneiro no Ceará, tendo trabalhado ao lado de figuras ilustres no meio da AD como o escritor e missionário Orlando Boyer e de lideranças locais como José Teixeira Rego, Emiliano Costa, Armando Chaves Cohen entre outros. Por ter essa condição "privilegiada", Alencar ainda na mais tenra infância vivenciou as tensões, disputas e cisões tão típicas da AD brasileira.

Agora, em seu trabalho, Gedeon, além de lançar mão de uma vasta bibliografia, de autores clássicos da sociologia como Max Weber, para explicar aquilo que chama de Matriz Pentecostal Assembleiana Brasileira - MPAB - e suas "identidades irreversivelmente fracionadas em divergências internas", gerando os assembleianismos urbano, rural, difuso e autônomo, pois como bem salienta em sua introdução "Não se trata, assim, de uma igreja, mas de diversas, distintas, concorrentes e divergentes entre si, muito parecidas com o país onde nasceram, cresceram e se consolidaram. Portanto, Assembleias Brasileiras de Deus".

No desenvolvimento do trabalho, Gedeon divide sua analise sobres as ADs em três períodos:

Primeiro Período - 1911 a 1948 - O Movimento Pentecostal: a iluminação do carisma
Segundo Período - 1946 a 1988 - A Instituição Pentecostal: o avanço da tradição
Terceiro Período - 1988 a 2011 - A Corporação Pentecostal: a (i) racionalidade dos poderes

Do ponto de vista histórico, o sociólogo lança luz e contextualiza muitos dos principais acontecimentos da história assembleiana. Com uma escrita segura, instigante e por vezes irônica (escrita essa que reflete muito bem sua personalidade comunicativa e espontânea) Gedeon com a ajuda de Kajsa Norell, jornalista sueca, teve acesso a cartas, jornais e documentos dos pioneiros suecos, os quais foram importantíssimos no aprofundamento histórico e na interpretação dos fatos. Com várias informações inéditas, que desmontam muitos pontos da narrativa oficial, fica interessante pensar como os historiadores oficiais da AD, irão se debater em busca de respostas e explicações para a sustentação de seus mitos.

Como toda obra humana, a tese não é perfeita, completa ou imutável. Seu maior mérito, e assim é o desejo do autor, é gerar discussões e outros estudos sobre a maior denominação evangélica do pais. Centenária, fragmentada, porém presente em todo território nacional. Brasileira em todos os sentidos.

PS: Caso o leitor desse blog seja pastor (a) assembleiano, você pode contribuir para prosseguimento da pesquisa, direcionando ou respondendo o questionário da pesquisa de doutorado em Ciências da Religião, realizada na PUC-SP, em 2012, sob a orientação do Prof. Dr. Edim Abumanssur, sob o tema "ASSEMBLEIAS BRASILEIRAS DE DEUS: Teorização, História e Tipologia 1911-2011".

A tabulação final dos dados não identificará pessoas individualmente, apenas mostrará os resultados percentuais totalizados das respostas.

O link da pesquisa é esse abaixo:

8 comentários:

  1. Prezado irmão Mário Sérgio,
    Sou assembleiano de berço e é muito bom conhecer a história de nossa igreja em seus por menores.
    Parabéns e continue postando.

    Forte abraço

    ResponderExcluir
  2. Estou ansioso pela publicação desse estudo em forma de livro. Ele realmente traz à tona os questionamentos acerca dos "buracos" e "silêncios" históricos das Assembleias de Deus, e gera uma discussão saudável sobre as Assembleias de Deus como denominação.

    ResponderExcluir
  3. Caso queira uma cópia da tese, entre em contato comigo através do meu e-mail que esta no blog.

    ResponderExcluir
  4. A leitura da tese do Gedeon é um excelente exercício de reflexão sobre os caminhos tomados pela liderança assembleiana nas diferentes fases da igreja. Problemas novos surgem, mas práticas antigas permanecem.
    O trabalho teve uma excelente pesquisa documental.

    ResponderExcluir
  5. Estou procurando esta tese na internet para baixar o download e não consigo achar. Tem como disponibilizar para mim, Mario Sérgio? Que Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  6. Grande Mario Sérgio! Parabéns pela sua iniciativa, neste blog, em tratar sobre esta tese de doutorado, que não só contribui para a história do nosso meio evangélico, mas se confunde com a própria cultura popular do povo brasileiro. Tentei procurar baixar o download desta tese de doutorado pela internet e não consegui até agora. Tem como disponibilizar para mim? Meu correio eletrônico é wendel_pinheiro@yahoo.com.br Um grande abraço e que Deus esteja contigo!

    ResponderExcluir
  7. também estou atrás dessa tese, quem puder disponibilizar favor mandar via e-mail. laboratorioavr@yahoo.com.br
    grato!
    Adilson Vaz dos Reis
    pós-puc. ciência da religião.

    ResponderExcluir
  8. Meu nome é Rogério e Gostaria de uma cópia da tese... rogeriofernandesk8@gmail.com

    ResponderExcluir