segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Missão & Madureira: a gênese dos conflitos em SP

Na matéria comemorativa publicada no Mensageiro da Paz (março de 1980), do 50º aniversário da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no bairro do Belém na cidade de São Paulo, o pastor José Wellington B. da Costa, repetindo a escrita do saudoso escritor Emílio Conde em seu livro histórico sobre as ADs no Brasil, assim descreveu a pluralidade de ministérios da AD na capital paulista: "A partir de 1938 as circunstâncias impuseram a existência de Assembleias de Deus independentes, com orientação e responsabilidades próprias, surgindo então os Ministérios do Brás e do Ipiranga".


SP na década de 30-40: cidade palco de conflitos ministeriais entre Missão e Madureira
Na verdade, José Wellington - futuro presidente da CGADB - foi muito diplomático em sua palavras, para descrever as cisões ministeriais ocorridas na década de 1930 no seio da denominação em SP. Ocorre que as tais "circunstâncias" que se "impuseram" (eufemismo utilizado por Conde), foram na realidade, uma divisão ministerial que gerou muitas polêmicas na época, as quais foram reverberadas durante muitos anos.

Até 1937, a AD no Belém, fundada pelos suecos, era o único ministério da denominação em SP. A igreja do Ipiranga, surge como uma congregação da AD liderada pelos missionários. Fundado em 1927, somente dois anos depois (1929), é que o trabalho do Belém organiza-se juridicamente, e continua seu processo de crescimento. Foram pastores da igreja em seus primeiros anos Daniel Berg, Samuel Nyström, Samuel Hedlund, Bruno Skolimowsky, Jahn Sörheim e Simon Lundgren.

Ainda em 1937, para comemorar os 10 anos do início do trabalho assembleiano na capital, é realizada a 8ª CGADB. Nessa convenção nacional, considerada histórica para as ADs no Brasil, foi eleito presidente da mesa diretora o pastor Paulo Leivas Macalão, sendo sei vice Cícero Canuto de Lima, e como primeiro 1º secretário o jovem obreiro Sylvio Brito, cunhado de Macalão. Refletindo o clima político da época, de acentuado nacionalismo incentivado pelo governo Vargas, a CGADB de 1937 em sua mesa diretora, teve estrategicamente somente obreiros brasileiros.

Meses depois de presidir a convenção nacional, Macalão abriu uma igreja em SP ligada ao seu ministério na cidade do RJ. Segundo as versões oficiais, Macalão teve uma "visão", a qual foi confirmada em uma visita a capital paulista. Para assessorá-lo nessa empreitada, o líder de Madureira, obteve uma ajuda muito importante: Sylvio Brito. Acontece que Brito, na época um jovem de 26 anos, era pastor na AD da Missão. E mais: segundo registros, Brito havia assumido a liderança da igreja paulista. O último líder sueco Simon Ludgren retornou à Suécia, e Sylvio se tornou o primeiro pastor brasileiro da AD em SP. Ou seja, Sylvio Brito, conseguiu a proeza de se tornar o primeiro pastor de nacionalidade brasileira da AD da Missão, e o primeiro pastor da AD de Madureira na pauliceia.

Pode-se imaginar a celeuma provocada por tal atitude, principalmente por envolver um obreiro ligado tão intimamente a Macalão. Não há registros de que Sylvio tenha levado outros membros com ele além da esposa. Mas provavelmente alguns devem tê-lo acompanhado nessa aventura. Tais acontecimentos, explicam o tom nada harmonioso de convivência entre os dois ministérios durante muitos anos, refletidos no textos do Mensageiro da Paz (ver postagem As Assembleias de Deus em São Paulo: Missão & Madureira). Explica também o fato, de José Wellington completamente ignorar Brito no histórico publicado no MP em 1980.

Na época desses acontecimentos, São Paulo contava com pouco mais de 1 milhão de habitantes. Milhares de pessoas, entre elas imigrantes europeus e nordestinos, chegavam para trabalhar no comércio e indústria da cidade. Localizados próximos um do outro, tanto o Belém, quanto o Brás, faziam parte dos chamados "bairros operários", os quais cresciam vertiginosamente com a expansão econômica da cidade. As congregações abertas nessa região prometiam uma crescente expansão, como de fato se verificou com o passar dos anos. A cisão ocorrida em SP, provocou sem dúvida um enorme mal estar.

A poeira da história oficial se encarregou amenizar esses acontecimentos. Hoje, totalmente separadas na forma de convenções nacionais próprias, as ADs do Belém e do Brás, são sedes de inúmeras congregações espalhadas pelo estado de SP e região. Com tamanho poder político-eclesiástico e econômico, seus líderes governam de forma despótica, usam o peso numérico das igrejas para capitalizar status e prestígio em cada eleição, e se projetam nas suas respectivas convenções nacionais. Alguns membros, talvez sintam saudades do tempo, em que as polêmicas eram somente a dicotomia Missão & Madureira.


ARAÚJO, Isael de. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.

MENSAGEIRO DA PAZ. 1ª quinzena de abril de 1962. Rio de Janeiro: CPAD.

MENSAGEIRO DA PAZ. 2ª quinzena de agosto de 1962. Rio de Janeiro: CPAD.

MENSAGEIRO DA PAZ. março de 1980. Rio de Janeiro: CPAD.


MORAES, José Geraldo Vinci de. Cidade e cultura urbana na primeira república. São Paulo: Atual, 1994.

http://olharcristao.blogspot.com.br/2009/06/historia-assembleia-deus-ministerio.html

21 comentários:

  1. Prezado Mário,

    Penso que a Convenção Madureira deveria ser impedida de usar o nome Assembleia de Deus. Seria importante para unificar o lado de cá. Ademais a CGADB mantém o domínio da marca.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso eu que você não é Deus ( tenho certeza) e se tive que reclamar de algo quem tem que falar é ele!! se a AD Madureira está de pé, pela graça de Deus até hoje, é um mérito concedido por ele, e seria bom se esses dois ministérios se fundissem, mas a AD Missão não aceita nem que um irmão de nenhum outro ministério louve, pregue... faça a obra lá, realmente belo exemplo de união, o que temos na Bíblia é diferente.

      Excluir
    2. Penso que deveríamos pensar menos em Madureira, Missão ou Belém e pensarmos mais no Reino de Deus. Cada vez que vejo essas atitudes de defender ministério A ou B ou C entendo mais Amós 5.21 "“Ai, ai! Eu odeio e ignoro as vossas festas religiosas; também não suporto as vossas assembleias solenes.".

      Excluir
    3. Penso que deveríamos pensar menos em Madureira, Missão ou Belém e pensarmos mais no Reino de Deus. Cada vez que vejo essas atitudes de defender ministério A ou B ou C entendo mais Amós 5.21 "“Ai, ai! Eu odeio e ignoro as vossas festas religiosas; também não suporto as vossas assembleias solenes.".

      Excluir
    4. Olha, eu devo discordar de tal afirmação, eu sou da igreja Mundial e meu amigo da AD Madureira, e ambos já louvamos e pregamos na AD Missão, acho que não está mais existindo como antigamente essa desunião conforme havia.

      Excluir
  2. Parabéns pela pesquisa Mário Sérgio!

    Conhecer as raízes das disputas entre os ministérios da AD é obter importantes subsídios para a compreensão das complicadas divisões dos inúmeros ministérios assembleianos de hoje!

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  3. Igreja não é uma marca, se houve divisão tudo bem mas a hora não é de dividir mais e sim de se unir (não de juntar um ministério com outro), de irmãos trabalharem juntos para evangelizar esse mundo que precisa ouvir a palavra de Deus e não de um ministério.

    ResponderExcluir
  4. Gente exclusividade da marca? daqui a pouco as ADs vão virar marca de sabão em pó, lógico que para a abertura de novos ministérios deve-se ter mais rigor, mas, com os antigos e consolidados, devemos deixar como está. Abraço

    ResponderExcluir
  5. Acho q todos prescisamos da mao d Deus e nao divisão. mas união para juntos vencermos o este mundo q ja e do maligno!!

    ResponderExcluir
  6. gostaria de saber se lar no céu a placa de igreja .....pergunta a jesus o que ele faria .......

    ResponderExcluir
  7. as divisões foram de Deus e necessárias para o crescimento do evangelho no pais ,a tempo pra se ajuntar e tempo pra espalhar oque se ajuntou.

    ResponderExcluir
  8. as divisões são necessárias e Deus não perdeu o controle da igreja se aconteceu a divisão foi pra crescimento da obra as vezes Deus faz essa coisas.tudo é pra gloria dele.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Sábias palavras Jack!
    Também concordo que essa "divisão" foi para trazer crescimento a obra de Deus.
    Temos hoje essas duas potências de igrejas que crescem juntas a cada dia.
    Eles não deixaram de ser de Deus por não quererem fazer mais parte do CGADB. Até porque fazer parte ou não não vai garantir salvação a ninguém.

    ResponderExcluir
  11. Quem ler está bem norteado, pois vários casos em que Deus, criou situações como divisões; Ex: Abraão e Ló, dividiram-se e Deus não estava com eles, sim ou não!

    ResponderExcluir
  12. Verdade, a assembléia não é mais de Deus mas dos homens, são verdadeiros coronéis que tratam o povo como recrutas, recentemente eu e minha esposa estivemos na amazonia paraense para fazer-mos um trabalho social junto aos ribeirinhos, povo muito carente, principalmente as crianças, levamos roupas sapatos e brinquedos, o coronel assembleiano daquele campo não permitiu que seus membros nem mantivessem contato conosco, por sermos de outra denominação. Gunnar e Daniel berg ficariam muito tristes se estivessem vivos. Lamentavel...

    ResponderExcluir
  13. e para eles os dias termino mas para nos continua ate o dia que DEUS permiti o que não pode e apagar a chama ardente do ESPIRITO SANTO que estava neles e deve esta em nos ate o fim sem pensa em placa mas em um povo zeloso e de boa obra.aqui no extremo sul da baia . o ministério DA ASSEMBLEIA DE DEUS. um logar onde DEUS e adorado campo do quara 2 DF temos comunhão com todos os que esta ligado em DEUS E DEUS nele e vamos para uma mesma cidade cantar no mesmo cora eternamente gloria a DEUS

    ResponderExcluir
  14. Esse tipo de divisão é complicado,sou da assembléia de Deus Madureira,e infelizmente aqui onde moro tem crentes da missão que nem nos saúdam com a paz do senhor Jesus,alguns chegam até dizer que nos somos primos e não irmãos aí pergunto é isso que Deus quer pra o seu povo a divisão de ministérios foi necessária, mas a divisão do povo de Deus dessa forma, que Deus tenha misericórdia de todos nós.

    ResponderExcluir
  15. A missão se acha a dona do brasil bando de prepotente sou Madureira e quem disse q missão e dona da patente do nome assembléia de Deus

    ResponderExcluir
  16. O Primeiro nome da igreja não foi registrado como Assembléia de Deus. Assistam o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=W-1bP8yj2gk

    ResponderExcluir