domingo, 11 de março de 2018

A Circular da AD catarinense - combate aos "modernismos"

O jornalista Silas Daniel em seu livro História da CGADB, destaca a Convenção Nacional realizada em novembro de 1968, em Fortaleza (CE), como palco de um debate marcante: "os reflexos da Revolução Sexual" dentro das ADs. Debateu-se naquele ano sobre o perigo das minissaias e dos cabeludos, que estavam "tentando invadir as igrejas".

No mesmo ano, mas em janeiro, à Convenção de Pastores de Santa Catarina publicou uma Circular (norma que padroniza comportamentos e regras em determinada instituição) antecipando o debate sobre as medidas contra à abertura ou tolerância da denominação sobre os usos e costumes.

Talvez não seja mera coincidência, que o debate em Fortaleza acerca da Revolução Sexual, foi aberto pelo pastor Satyro Loureiro de Santa Catarina. Satyro era conhecido pelo seu rigor em seguir as determinações do Ministério local. Anos depois, ele mesmo viu-se refém e questionador das normas que ajudou a padronizar.

A Circular do Ministério da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Santa Catarina é um importante documento para se captar o "espírito da época" (o Zeitgeist como definem os alemães). As normas descritas na carta foram aplicadas por mais de três décadas nas igrejas catarinas e permite muitas análises.

É possível perceber o que caiu por terra e o que ainda permanece a muito custo. Em 1968, às ADs em geral, ainda conservavam o "ethos sueco-nordestino". Somente na década de 1980, a igreja avança em direção ao seu "aggiornamento" tão bem descrito pelo historiador Moab Carvalho em sua tese de doutorado.

O documento raro foi uma gentil colaboração do amigo Emerson Lima de Taió, interior de Santa Catarina. O jovem Lima é obreiro, líder de jovens e amante da história das ADs no Brasil. Muito obrigado irmão!



Fontes:

ALENCAR, Gedeon Freire de. Matriz Pentecostal Brasileira: Assembleias de Deus 1911-2011. Novos Diálogos: Rio de Janeiro, 2013.

DANIEL, Silas. História da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.

CARVALHO, Moab César. O Aggiornamento do Pentecostalismo: as Assembleias de Deus no Brasil e na cidade de Imperatriz-MA (1980-2010). 

6 comentários:

  1. Me emocionei,tinha dois anos (Hoje 60) quando fui apresentado pelo Pr:Emidio Granjeiro. Infância e juventude com o Pr:Antenor de Oliveira, Pr: Noé Fortunato Vargas e outros foi demais pra mim. ..sem palavras, tive que salvar esta foto do circular

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, claro que os tempos mudaram...mas nessa época se via muitos milagres e maravilhas. Povo muito mais temente à Deus e obediente!

    ResponderExcluir
  3. Nobre Mário Sérgio, o que se esperava é que a "liberação" trouxesse crentes mais maduros. Infelizmente, isto não aconteceu. Aliás, nunca documentos deste tipo foram revogados. O povo e o tempo os "revogou". Outra coisa que notei ao ler a circular é que se fazia tudo com base na "Palavra de Deus", só que se lia a Bíblia com viés denominacional. O mais engraçado é nada sobre poder, barganha e coisas do tipo, que já existiam à beça na época.

    ResponderExcluir
  4. E agora com o liberrou geral, nossas ADS ,tá uma "maravilha"!

    ResponderExcluir
  5. Apesar de tudo isso, queria viver nesta época! Havia mais santidade e diferença do mundo "em tudo"! As AD's não tinham ouro nem prata, mas a graça, a fé a devoção a DEUS abundavam ao ponto de dizerem ao paralítico: Levanta, toma a sua cama e anda!

    ResponderExcluir
  6. Tenho 25 anos, mas queria esta na igreja com os irmãos dos anos 50,60,70, acho que era algo inesplicavel.

    ResponderExcluir