sábado, 3 de setembro de 2016

A ameaça dos comics nas Assembleias de Deus

Quando se fala das antigas proibições impostas pelas Assembleias de Deus (ADs) aos seus membros, logo vem à mente de muitos, às questões de estética feminina, trajes, uso do rádio e televisão. Mas na década de 1950, uma das preocupações crescentes da liderança assembleiana, era com à leitura por parte dos adolescentes e jovens dos comics*, as famosas Histórias em Quadrinhos (HQ) ou gibis.

Criada em fins do século XIX nos EUA, as HQs popularizaram-se na década de 1930, considerada a Era de Ouro do gênero na América do Norte. Segundo o historiador inglês Eric Hobsbawm, os comics com sua linguagem colorida, apelativa, direta, e de fácil compreensão popular, influenciou muito à escrita da época. Seus heróis fizeram sucesso durante a 2ª Guerra Mundial. Nos anos 50, surgiram os gibis de terror e crime, gerando polêmicas sobre os valores propagados nessas publicações.

Comics: perigo mundano para os crentes

Em 1954, o psiquiatra Frederic Wertham lançou o livro Seduction of the Innocent, onde observou persevões sádicas e homossexualismo nas HQs. Wertham, liderou então, uma verdadeira cruzada moralista nos EUA e culpou as revistas por incentivar a delinquência juvenil nas classes mais baixas da população, o uso de drogas e a prática de crimes. 

O caso foi parar no Senado norte-americano, e como resultado da polêmica, num extremo gesto de repulsa, escolas e grupos de pais queimaram gibis publicamente. Algumas cidades criaram leis banindo os comics. O resultado foi a queda vertiginosa das publicações no país.

Talvez, não por acaso, a revista A Seara (edição maio/junho de 1957) dedicou uma interessante matéria intitulada Mães - Não Permitam Que Seus Filhos Se Envenenem com ISSO! Os "Comics São Nocivos -, na qual alertava sobre à leitura dos comics por conduzir jovens e adolescentes à delinquência, envenenando o intelecto e degenerando o caráter. 

Citando personalidades credenciadas sobre o assunto, a matéria destacava que "quase na sua totalidade", crianças envolvidas em crimes nos EUA eram leitoras vorazes dos temíveis gibis. Comparado por um estudioso ao "mau cinema" e com o contato "direto de jovens e crianças com grupos criminosos", os comics representavam uma séria ameaça à família cristã. 

Então, não era somente o rádio, e mais tarde a televisão que causava temor na formação moral e espiritual dos crentes. Os gibis também eram vistos como adversários de uma vida cristã pura. Na verdade, tudo o que fosse da cultura secular, era praticamente rejeitado. A vida em sua totalidade (sentimentos, pensamentos, leituras etc.) deveriam ser dedicados a Deus. Qualquer ameaça "mundana" seria rechaçada. 

É possível perceber essa postura sectária nas memórias dos antigos assembleianos e nas velhas recomendações pastorais. Na AD em Joinville (SC), um dos vários conselhos dados aos jovens no ano de 1955, era a proibição à leitura de gibis "e outras literaturas semelhantes" consideradas prejudiciais à vida cristã. 

Como outros temas, hoje o assunto sobre a leitura dos comics foi superado. Não causa mais pavor e temeridade. Nossos jovens tem muitas mídias à disposição, e os gibis nem de longe representam um perigo. 

Atualmente, as ameaças dentro das ADs são outras... 

* Significado de Comics

1. Por definição, qualquer história em quadrinhos.
2. Histórias em quadrinhos produzidas nos Estados Unidos.
3. Histórias em quadrinhos no estilo de desenho característico dos estadunidenses.

Fontes:


HOBSBAWM, Eric J. Era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

A Seara, edição maio/junho de 1957. 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Comics

8 comentários:

  1. Ótima recordação Mario. Não era vivo naqueles anos, mas, durante minha infância sempre fui um admirador de HQs e sendo filho de crente, soube também dessas situações presenciadas pelos cristãos mais antigos, digamos assim. Agora imagina você entrar em disciplina por ler uma HQ? haha. Muito bom o texto mano!

    ResponderExcluir
  2. É como um vírus que vai se alastrando na mente da pessoa e quando da por si já esta realizando atos imorais. O diabo tem suas arte manhas!

    ResponderExcluir
  3. Grande Mário Sérgio,

    Recordar é viver... O mais engraçado é que quase ninguém previu o risco da internet. De qualquer forma, sua matéria nos leva a uma grande questão: Se alguém efetivamente foi disciplinado por este motivo como fica a situação? Por aqui tivemos obreiros preteridos de consagração porque possuíam TV. Complicado.

    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você foi muito feliz em sua abordagem. Eu particularmente em muitas ocasiões, fui abordado pelo ministério de ser insubmisso por usar bermuda e consequentemente atrasar minha "consagração " o tempo passou e a 10 anos mesmo usando bermuda a atrasada chamada ministerial se concluiu.

      Excluir
  4. O mais alarmante é que hoje tudo si pode. Mas já não si ver o manifestar do Espírito Santo Como antes. Hoje Crente tem medo de tudo quando antigamente o medo era de pecar e não ir para o Céu!

    ResponderExcluir
  5. Engraçado,sou de 1958, era leitor ávido dos gibis de todos os gêneros e todavia, sobrevivi?

    ResponderExcluir
  6. Estranho,sou de 1958, fui leitor ávido de todos os gêneros dos gibis e o que aconteceu comigo? Próximo aos poucos 60 anos de vida sobrevivi?

    ResponderExcluir
  7. Muito bem lembrado, Eu vivi as eras das proibições na AD, E sei o quanto isto influencio de forma negativa em minha formação acadêmica.

    ResponderExcluir