sábado, 27 de agosto de 2016

Minhas memórias

O ano de 1986, foi um ano inesquecível e agitado: Plano Cruzado, Copa do Mundo no México e eleições para a Assembleia Nacional Constituinte. Hegemonia do PMDB na política nacional. Também era, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o Ano Internacional da Paz.

Neste ano, no dia 31 de agosto, tomei minha decisão de servir a Cristo na Assembleia de Deus (AD). Minha conversão se deu na pequena congregação do bairro Espinheiros em Itajaí. Visitava meus tios e avós, que há anos congregavam na AD e sempre evangelizavam à família. Contava com apenas 14 anos. Era um adolescente despertando para a vida.

Voltando a minha cidade natal, Joinville, comecei a frequentar a AD no bairro Costa e Silva. A congregação se reunia em um diminuto templo de madeira situado em cima de um pequeno morro, muito próxima à Igreja Católica.

Congregação do Costa e Silva na década de 1980

A igreja, na época, era liderada pelo pastor Satyro Loureiro. Satyro, aos 64 anos presidia a AD joinvilense pela segunda vez (a primeira entre 1953-57). Baixo, roliço, voz rouca, o veterano obreiro era um dos principais pastores da AD no Brasil. Suas mensagens, carregavam o peso das suas incontáveis experiências ministeriais. 

A AD ainda era muito conservadora em usos e costumes. Mas já estava vivenciando transformações. Nas congregações a doutrina era rígida, mas na sede havia uma elite social e teológica aspirando mudanças. Não demorou muito e as tensões cresceram, até que um grupo saiu da denominação para abrir seu próprio trabalho. Não precisa dizer que foram tachados de "rebeldes" e "mundanos".

Nacionalmente, as ADs mergulhavam de corpo e alma na política partidária. A justificativa: defender a liberdade de culto e a pregação do evangelho. Havia ainda o temor do perigo comunista a rondar a nação. Eleger irmãos escolhidos por Deus e pela igreja, era necessário para garantir nossos direitos na nova constituição.

Minha formação básica como assembleiano foi na Escola Bíblica Dominical (EBD). Ainda lembro da primeira lição que falava sobre o livro de Gênesis, escrita pelo pastor Geziel Gomes. Lia o Mensageiro da Paz com avidez, pois queria aprender. Nomes como Antônio Gilberto, Geremias do Couto, Elienai Cabral, Miguel Vaz, Claudionor de Andrade, Nemuel Kessler, Abraão de Almeida entre outros, logo se tornariam familiares.

Acompanhei alguns estudos bíblicos na sede. Obreiros e irmãos participantes anotavam as referências bíblicas em cadernos e apostilas. Os congressos de jovens eram antecedidos por grandes expectativas de avivamento.

O espaço do púlpito tinha uma espécie de cerca isolando os obreiros da congregação. Usava-se a sineta para administrar os cultos, e o presbitério ainda possuía força sendo consultado para questões administrativas.

Uma das lembranças mais marcantes, eram as visitas ao templo sede aos sábados para o culto de doutrina. Membros disciplinados ou excluídos tinham seus nomes lidos com o motivo do desligamento exposto publicamente.

Já se passaram três décadas. Muita coisa mudou, e nem poderia ser diferente. Não penso que os dias passados eram melhores, e nem que dias atuais são esplêndidos. Mas uma coisa é certa: as ADs absorveram muito dos valores seculares e dos modismos de outras denominações chamadas de neopentecostais. O pragmatismo religioso impera em muitos ministérios.

A visão de ministério, ao meu ver, também mudou. O nepotismo, que era exceção virou regra. Uma nova geração de obreiros, que vê a denominação como simples meio de vida e status social se apoderou dos cargos e das igrejas, trazendo incontáveis desvios morais e espirituais.

Lembro-me, que certa vez li no Mensageiro da Paz de 1989, um texto do saudoso pastor Estevam Ângelo de Souza do Maranhão. No artigo, ele previa como seria a AD no futuro. Pesava ele na balança os prós e contras do crescimento e como a igreja estaria caso se mantivesse fiel ou absorvesse a cultura secular. 

Quem sabe será tema de uma futura postagem...

2 comentários:

  1. NA CGADB SÓ Ñ ACONTECE "REGRA" COMO FOI DITO É PORQUE EXISTE ELEIÇÕES E MSM ASSIM QUEREM TENTAR PASSAR O "BASTÃO" PRO FILHO.DO JEITO QUE ESSE POVO É,MSM EM VOTAÇÃO ONLINE,Ñ ACREDITO EM ELEIÇÕES LIMPAS.COMO SOU FORMADO EM ANALISTA DE SISTEMA E FAÇO GRADUAÇÃO NA AREA,QUEM ENDENTE DO ASSUNTO SABE ,MSM COM TODO "OS APARATOS DE SEGURANÇA" PODEM HAVER FRAUDE,POIS NÃO EXISTE SISTEMA 100% SEGURO.ALIAS POR SEDE DO PODER O "HOMEM "FAZ QUALQUER COISA.

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante irmão. Ontem a minha igreja AD de PALHOÇA era culto de missões e foi sitado o nome do pastor Satyro Loureiro. Sempre nos maravilhamos com exemplos de obreiros que calejaram seus pés em favor da obra de Deus, e vejo que hoje temos que despertar e fazer a diferença. É lindo quando olhamos para a história mais temos que fazer acontecer, Deus quer usar cada um com poder e ousadia, basta se colocar a disposição e buscar em oração. Paz do Senhor

    ResponderExcluir