terça-feira, 24 de novembro de 2015

A AD em Teresina - a fragmentação da história

É notório que os principais ministérios das ADs no Norte e Nordeste do Brasil possuem uma história de cisões e turbulências. No Ceará na década de 1960, Luiz Bezerra da Costa "arrancou" para a congregação de Bela Vista (e para si) a autonomia depois de um período de desavenças ferrenhas. 

Em Pernambuco, nos anos 80, a AD em Abreu e Lima conseguiu sua independência tornando-se ministério autônomo. Na Paraíba, a região de Campina Grande também se distingue da AD estadual, e na Bahia já se formaram duas convenções. Idêntico caso há no Amazonas e no Pará berço da denominação do país.

As rupturas ocorridas resultaram das tensões e lutas pelo poder eclesiástico, pois debaixo da "unção divina" os abnegados obreiros refletiram o estilo coronelista da sociedade patriarcal. Com o tempo e o crescimento das igrejas, as cisões institucionais passaram a alavancar projetos próprios ou familiares de poder.


AD em Teresina: uma igreja fragmentada

Com tantas divisões na região, a AD em Teresina não passou incólume. Após a jubilação do seu patriarca pastor Paulo Belisário de Carvalho em 1995, a igreja não teve paz nas sucessões seguintes. Nesses 20 anos, a igreja da capital piauiense passou por alguns solavancos institucionais, e agora ao que tudo indica, caminha para a total fragmentação.

Em 1997, o sucessor do pastor Paulo, o escritor Raimundo de Oliveira foi obrigado a deixar o cargo devido a graves desentendimentos com o ministério local. Assumiu então o pastor José da Silva Neto. Em 2011, cumprindo o estatuto interno uma inédita eleição à presidência da igreja se realizou. O então líder da AD José Neto concorreu ganhando por margem mínima de votos o pleito. Mas o resultado não foi digerido pelo seu oponente José de Ribamar e Silva Filho, o qual sendo supervisor de um distrito, resolveu romper com o ministério local.

Com a morte do pastor José Neto em 2013, novamente a questão sucessória foi colocada em cheque. Temendo uma nova cisão, o ministério da AD em Teresina e a convenção estadual em comum acordo - e desta vez sem eleição - indicou o pastor Nestor Mesquita à presidência, realizando o antigo sonho do veterano obreiro de liderar a igreja na capital.

Com a posse do pastor Mesquita, se garantia o mínimo de estabilidade ministerial. Porém, o destacado líder, no alto dos seus 80 anos de idade estava fadado a ser apenas um líder de transição, simplesmente protelando o problema maior para os anos seguintes. 

Pensando na sucessão (e na família), Nestor resolveu preparar a igreja e o ministério para a posse do filho. Entretanto, negociações foram necessárias, e para resguardar o herdeiro, o atual presidente abriu mão da unidade administrativa da igreja. A partir de 2016, o campo eclesiástico em Teresina será fragmentado e os setores receberão autonomia. Ao filho Irã caberá o setor centro, onde atualmente está a sede.

A divisão provavelmente agradará aos setoriais, mas segundo alguns, poderá resultar em extrema competição por membros e recursos na área eclesiástica de Teresina. A prevista abertura de congregações em campos e bairros alheios possivelmente aumentará as tensões entre os setores. 

E os membros? Pelas informações disponíveis, os fieis estão perplexos testemunhando a pulverização do patrimônio histórico e espiritual construído em décadas de evangelização. Há um clima de pessimismo no ar. Ironicamente, em 2012, foi lançado o livro do pastor Raimundo Leal Neto sobre a história da AD na cidade intitulado Uma Igreja Edificada - História da Assembleia de Deus em Teresina - Piauí. Talvez em suas próximas edições, o autor tenha que mudar o nome da obra para Uma Igreja Fragmentada...

Fonte:

LEAL NETO, Raimundo. Uma Igreja Edificada - História da Assembleia de Deus em Teresina - PI. Teresina: Halley, 2012.

13 comentários:

  1. O que dizer ou fazer lendo este artigo a não ser lamentar. Que o Senhor tenha misericórdia de Sua igreja no Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Joiade Santos É meu camarada, até mesmo os nossos patriarcas da fé (NHM), talvez pela idade, parece está tocando a trombeta, dando sonido incerto ao rebanho, 1 Co 14.8. Mas louvamos ao nosso bom Deus, que a despeito de tantas fragmentações na história da AD no Brasil, ela continua viva, como bem vivo está o autor, fundador e dono dessa história que jamais se apagará - Jesus Cristo, Mt 16.18. Oremos pela paz e unidade entre a liderança e membros da AD, Jo 14.27; 17.20,21. Amém.

    ResponderExcluir
  3. Fico pensando: será que a fragmentação é ruim mesmo? Parece que os missionários fundadores da AD no Brasil não desejavam criar um grande império religiosos sob o domínio de uma oligarquia. A história nos mostra que eles desejavam igreja independentes e se esforçaram muito para concretizar seus ideais, tanto que foram "expulsos" e esquecidos por muito tempo. Só depois, quando das comemorações dos 50 anos da AD no Brasil, tiveram suas histórias contadas, e com muitas lacunas. Mais importante que a organização burocrática é a essência do verdadeiro cristianismo. Nesse sentido, confunde-se muito a instituição religiosa com a própria religião e seus agentes com a própria divindade. Estavam os missionários Daniel Berg e Gunnar Vingren errados?

    ResponderExcluir
  4. Querido vc mencionou que no Ceara teve um racha, da Bela vista saindo do Templo Central, Verdade mas esqueceu que também, saiu o AD Ministério do Montese, Pastor Ozires, Agora já temos uma outra Convenção AD ministério de Fortaleza pastor Maúrino, sem fala que depois da morte do nosso Pastor Presidente do Templo Central a igreja tem duas nova liderança Pastor Antonio José Presidente da Igreja em Fortaleza, e o pastor João Bezerra Presidente da Conadec todas Ligada a CGADB

    ResponderExcluir
  5. Muito triste tudo isso, a ganância e arrogância de muitíssimos pastores, porém estás cousas devem acontecer a final estamos caminhando para o aparecimento do homem da iniquidade e o arrebatamento da igreja.... Deus tenha misericórdia de seu povo. Quanto aos líderes,com certeza darão contas a Deus de seus atos!!

    ResponderExcluir
  6. Muito triste tudo isso, a ganância e arrogância de muitíssimos pastores, porém estás cousas devem acontecer a final estamos caminhando para o aparecimento do homem da iniquidade e o arrebatamento da igreja.... Deus tenha misericórdia de seu povo. Quanto aos líderes,com certeza darão contas a Deus de seus atos!!

    ResponderExcluir
  7. In memoriam da simplicidade dos pioneiros, deixo este louvor para a reflexão da AD Teresina fragmentada e dos irmãos que choram o péssimo testemunho que a Igreja no Brasil tem dado.
    Saudações assembleianas de Recife - PE (sim, membro de um dos lados de outra divisão)

    https://www.youtube.com/watch?v=YeoIE4YuE9A

    ResponderExcluir
  8. Grande Mário Sérgio, aqui em Pernambuco temos o mesmo quadro. Da AD Abreu e Lima, temos a emancipação de Jaboatão, Camaragibe, Goiana, Salgueiro e Escada, AD Betel, AD Harmonia, mais recente e da AD Recife, temos um ministério novo em Limoeiro e outro no Jordão. Fora diversos outros pequenos ministérios fundados nos últimos anos.

    ResponderExcluir
  9. Irmãos quem souber alguma notícia sobre o evangelismo do Pastor Jacob FIRMINO LIMA aquele que era presbítero quando o Pastor Paulo Belisário chegou ao Piauí e onde posso encontrar algum registro do seu ministério por favor me iinformem

    ResponderExcluir
  10. Uma pena. Nasci na Assembléia do Porenquanto, numa época da presidência do Pr Paulo Belisário, e ao vir para o ES, assumiu o Pr Raimundo. O problema ao meu ver não é a divisão/segmentação, e sim a forma que isso se dá: Brigas, rixas, questões políticas e interesses pessoais e familiares.

    ResponderExcluir
  11. Essa fragmentação tanto no nordeste, quanto aqui no sudeste,tem um lado positivo.
    Esses campos quebrados, fragmentados, não permitirá que a igreja Assembléia de Deus no Brasil, se torne um Vaticano.

    ResponderExcluir
  12. Que bom que esses ministérios se quebraram, fragmentaram...
    Tudo isso tem um lado positivo, se não viraria um outro Vaticano.

    ResponderExcluir