domingo, 18 de outubro de 2015

Geremias do Couto - testemunha ocular da História

Parafraseando o slogan de um extinto noticiário televisivo, Geremias do Couto é "testemunha ocular da história". Seus artigos no conhecidíssimo blog Uma Voz Que Não Se Cala são de uma repercussão enorme nas redes sociais. Afinal, pastor Couto analisa e critica um mundo, o qual conhece como poucos: o establishment assembleiano.

Nascido em berço evangélico, seu pai Joaquim do Couto foi pastor da Assembleia de Deus em Teresópolis por mais de 40 anos. Ainda moço ingressou no Instituto Bíblico de Pindamonhangaba e começou a atuar na igreja dirigida por seu genitor. Colaborou na Cruzada Bernhard Johnson e em 1977 começou a trabalhar na CPAD, de onde saiu para o campo missionário nos EUA.

De retorno ao Brasil em 1982, volta a trabalhar na CPAD, onde atuou como chefe do Departamento de Jornalismo e gerente de Publicações. Participou intensamente de projetos internos da publicadora e da cobertura jornalística de algumas Convenções Gerais. Essa condição de jornalista da CPAD, o fez observador privilegiado dos bastidores do poder, principalmente as Convenções mais disputadas entre os Ministérios da Missão e Madureira nos anos 80.

 Geremias com o missionário Nels Taranger: memórias a contar

Saiu da Casa Publicadora em 1996, mas continuou escrevendo lições para EBD, e participando de conferências e simpósios. Mas o imbróglio sobre a publicação da Bíblia Dake por parte editora assembleiana, e seu posicionamento contrário com postagens questionadoras sobre o papel das instituições conflitantes (CPAD e Conselho de Doutrina), o fizeram tomar a decisão de não participar da Décima Oitava Conferência da EBD em Americana - SP. Era a ruptura anunciada publicamente.

Posteriormente renunciou ao Conselho Político da CGADB. Em carta dirigida ao presidente da Convenção e divulgada em seu blog declarou: "percebo que o Conselho Político perdeu o foco", não via ele estímulo para a participação cidadã consciente e "de transformação social em todos os segmentos da sociedade." No documento, divulga que a resolução aprovada na Assembleia Geral Ordinária em Belo Horizonte (MG), recomendava que "ministros titulares" não deveriam "se candidatarem a cargos eletivos". Resoluções que foram solenemente ignoradas por alguns ministros, inclusive o pastor Paulo Freire da Costa, líder da AD em Campinas e filho do próprio presidente da CGADB.

Nesse mesmo período de questionamentos e renúncia, pastor Couto trabalhou intensamente entre 2007 a 2009, no Projeto Minha Esperança coordenando em São Paulo os trabalhos de grande alcance evangelístico. Organizou ainda em maio de 2010, o Festival Esperança em BH a presença e pregações de Franklin Graham.

Ainda em seu blog, Geremias lançou a proposta da Terceira Via à presidência da CGADB, já desgastada com a polarização entre José Wellington e Samuel Câmara. Repercutiu e respondeu a polêmica entre dois celebrados teólogos sobre a questão "Cristo é 100% Deus e 100% Homem".

Ultimamente causou surpresa para muitos ao se declarar calvinista convicto. Com fortes argumentos teológicos e históricos defendeu sua tese, e foi alvo de contestações. Recebeu até uma indireta: "melhor sair da Assembleia de Deus" relembrando os anos de 1930, quando um grupo deixou a denominação por questões doutrinárias envolvendo a doutrina da predestinação. 

Em 2014, candidatou-se a vaga da Câmara Federal pelo Partido da República (PR). Fez uma campanha simples e modesta, procurando sempre ser coerente com suas posições político-eclesiásticas. Num país onde os recursos financeiros são mais que decisivos na busca por votos, obteve 3.529 votos em 69 dos 93 municípios. Segundo ele próprio, saiu "das urnas de cabeça erguida".

Hoje, pastor Geremias atende a vários convites para ministrar pelo Brasil. Trabalha muito para lançar livros teológicos necessários à Igreja atual. Dono de uma memória privilegiada pensa em registrar suas recordações em livro. Revelaria "histórias" interessantes e omitidas das narrativas oficiais. Como "testemunha ocular da história" deverá dar a sua versão sobre muitos pontos polêmicos e até obscuros da historiografia assembleiana.

Os historiadores da AD e do pentecostalismo serão eternamente gratos...

Fontes:

geremiasdocouto.blogspot.com.br 

www.teologiapentecostal.com

5 comentários:

  1. Caro Mário Sérgio,
    Parabéns pela iniciativa do excelente post. Mais uma contribuição para a nossa história.
    Saúde & Paz!

    ResponderExcluir
  2. Prezado Mário Sérgio,

    Uma biografia que é um exemplo de vida, que contribuiu e pode contribuir muito ainda com a igreja evangélica no Brasil, em particular a nossa AD. Parabéns pela postagem.

    ResponderExcluir
  3. Prezado Irmão Mário Sérgio, visitei o seu blog e gostei muito. Tive a honra, ainda que garoto na época, conhecer os homens como Pastor Túlio Barros Ferreira, Pastor Paulo Leivas Macalão, Pastor Bernhard Johnson, e meu avô Pastor Francisco Pereira do Nascimento. Posso afirmar e, com certeza, o irmão sabe disso melhor do que eu, pois o irmão é Historiador e, eu, Psicólogo. Que a Assembléia de Deus, poderia ter contribuído mais com a obra do Senhor no Brasil, caso tivesse sido mais coesa na sua liderança e não pulverizada com inúmeros "caciques" a cometerem muitos desatinos ao longo da sua história. Meu avô mesmo, sempre trabalhou para apagar vários "incêndios" durante as suas gestões frente à CGADB, Creio, que a saída da liderança "SUECA", foi algo que contribuiu para tal fragmentação. As histórias que eu ouvia sobre os nossos irmãos escandinavos, eram as melhores possíveis e, a família NELSON, do PASTOR NELS NELSON, muito próxima à nossa, é um grande exemplo deste fato. PASTOR NELSON e sua ESPOSA IRMÃ LÍDIA NELSON (Ela eu conheci), eram pessoas excelentes. Tinham um sentido de missão fora de série, além do desapego material. A geração que veio depois (falo dos brasileiros), já não era tão desapegada assim. Eu até entendo. Eles passaram por situações traumáticas, havia inúmeras necessidades e, agora, eles queriam manter e crescer, Entendo. Mas, os SUECOS eram especiais, gente dedicada, gente boa de DEUS! Minha mãe me conta, em época de CONVENÇÃO ou ESCOLA BÍBLIA, eles se hospedavam na casa do meu AVÔ. Eram pessoas piedosas, irmãos de oração, não tinham postura de "EXECUTIVOS DE EMPRESA" como vemos hoje. Bom, vivemos em outro tempo! Deixo aqui registrada minha nostalgia e peço que o irmão continue a nos brindar com a história, que se não for registrada, pode, de fato, ser esquecida e, o pior, "reescrita" de maneira totalmente diferente como aconteceu! A Paz do Senhor!

    ResponderExcluir
  4. Graça e Paz !!
    Parabéns p/post. Tenho profunda admiração p/ biografia do p/ pr. Couto.
    Excelente tbém o comentário do irmão JOHANNES VIGILIUS DE SILENTIO CONSTANTIUS,que abrilhantou todo o tema. Abs.

    ResponderExcluir