terça-feira, 18 de novembro de 2014

Perfil - Jacó Rodrigues Santiago

Na Assembleia de Deus em Ipatinga - Leste de Minas Gerais - congrega um talentoso presbítero, descrito por um conhecido blogueiro da região como uma "pessoa inteligente, curiosa, dinâmica, preparada, competente", sua presença, suas ideias e sugestões são sempre bem-vindas nas atividades especiais da igreja.

Apesar de ser citado de forma tão gentil, Jacó Rodrigues Santiago é um homem simples e recatado, e nem parece ser (para usar as palavras do blogueiro amigo) um "arquivo". Porém, o mineiro do Distrito de Cachoeira Escura, município de Belo Oriente possui um conhecimento invulgar sobre a história das Assembleias de Deus; resultado de anos de convivência, leituras e pesquisas sobre a denominação no Brasil.

Nascido em lar assembleiano no dia 27 de abril de 1959, o primogênito de Josias e Ana Santiago teve seu nome foi escolhido pela avó paterna que, ao abrir a Bíblia se deparou com o nome da antigo patriarca hebreu - Jacó. Nesse tempo, Josias passou a cooperar na obra de Deus como evangelista autorizado pelo líder do Campo de Coronel Fabriciano, pastor José Alves Pimentel. 


Jacó e família: apaixonado pela história das ADs
Morando na cidade de Governador Valadares, Jacó lembra que em sua infância seu "pai tinha uma barraquinha de bijuterias no Mercado Municipal". A família frequentava os cultos no templo-sede da Assembléia de Deus, onde Jacó se destacava como cantor mirim. A igreja era pastoreada pelo pioneiro pastor Ormídio Siqueira das Neves. 

Mas, a vida de um obreiro não era assim fácil naqueles tempos. Enquanto o menino Santiago crescia, ele e seus irmãos acompanhavam o pai em suas andanças de evangelista. Vale lembrar que naqueles dias, as igrejas, além de serem pobres e de recursos financeiros limitados, eram localizadas em áreas de difícil acesso. Para visitá-las eram necessárias longas caminhadas, ou o uso da bicicleta ou do cavalo.

Entre 1968 a 1971, Josias Santiago e família mudam-se para Belo Horizonte. Os ares da capital mineira foram excelentes para o menino, pois em BH Jacó tomou gosto pela música "aprendi a tocar um acordeon de 48 baixos que meu pai havia comprado" relata ele em suas reminiscências. Ao voltar para a cidade de Coronel Fabriciano, o então adolescente passa a conviver com dois obreiros que lhe marcaram profundamente a existência: pastor Antônio Rosa e José Alves Pimentel.

Foi justamente o pastor Rosa, que lhe convidou em 1974 para trabalhar alguns meses como secretário da AD em Ipatinga. Nesse curto espaço de tempo formou muitas e duradouras amizades. Enquanto seu pai trabalhava como obreiro, Jacó cuidou de seguir sua vida profissional. Com 17 anos incompletos ingressou na Usiminas onde ficou por 25 anos até se aposentar. 

Nesse período, o jovem Santiago se casou com a jovem Dalva. Um namoro, noivado e casamento rápido (máximo seis meses), pois Santiago estava longe da casa paterna e precisava constituir família para si. Tornou-se pai de três filhos (Josias Neto, Júnia e Débora), comprou casa e carro, mas nunca deixou de cooperar na igreja, principalmente na área musical.

Fascinado pela história, Jacó Santiago sempre foi leitor voraz das principais revistas editadas pela CPAD e do jornal Mensageiro da Paz. No ano de 1998, lançou com apoio do Ministério local a primeira edição do livro histórico Assembleias de Deus do Vale do Aço, ocasião em que a igreja na região comemorava o seu Jubileu de Ouro. Em maio de 2002, mais um livro: Entre Rosas e Espinhos: uma biografia do Pastor Antônio Rosa da Silva.

Com o advento da internet, Santiago criou um blog com textos variados sobre a história da igreja e de seus líderes. As redes sociais são também outro grande instrumento para a divulgação das memórias assembleianas. Sua fan-page Assembleia de Deus no Brasil e no Mundo (33 mil curtidas) trás fotos pacientemente "caçadas", as quais ele organiza em álbuns e compartilha com todos os internautas. Uma das curiosidades dessa página são as imagens dos templos assembleianos espalhados pelo Brasil. Um olhar atento a essas fotos revelará a diversidade e heterogeneidade das ADs representada em suas construções.

Jacó como bom estudioso da história das ADs, procura estar atento aos acontecimentos recentes que envolvem a denominação no país. As constantes fragmentações, escândalos e lutas internas são observados por ele com preocupação e temor. Conheceu pessoalmente muitos dos pioneiros, e lamenta que o legado dos patriarcas seja desperdiçado por novas gerações de obreiros imaturos e inconsequentes.

Seu blog e suas páginas nas redes sociais são de certa forma uma maneira de tentar resgatar antigos valores. Não é extremista, mas entende que servir a Deus, ou ser crente ainda envolve compromissos e dedicação. Dedicação essa que procura praticar sempre na área musical, uma das sua especialidades. Gosta de postar vídeos de corais e orquestras, e assim divulgar a boa música clássica. Enfim, como todo bom mineiro, Santiago trabalha quieto, mas de forma eficiente para a conservação das memórias das Assembleias de Deus.

Fontes:

blogdosilas.com

Jacorodriguessantiago.blogspot.com.br

Entrevista com Jacó Rodrigues Santiago via online.

3 comentários:

  1. Bem merecida a homenagem! Contou bem a vida dele em poucas linhas! Parabéns ao Jacó pela dedicação!

    ResponderExcluir
  2. Sou fã incondicional da fan-page do irmão Jacó! As informações coletadas a partir das imagens de templos de todo o país mostram o resultado de um homérico e dedicado trabalho que tem sido extremamente útil aos pesquisadores da AD. Que Deus o continue abençoando.

    ResponderExcluir
  3. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho.
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Muita paz.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo.

    ResponderExcluir