quarta-feira, 20 de março de 2013

Iconografia: quadro os dois caminhos

Os mais velhos devem lembrar. Mas o quadro abaixo, assim como os discos do cantor evangélico Oséias de Paula e a caixinha de promessas era presença quase que obrigatória nos lares crentes. Tão logo se chegava na casa de um irmão, o sujeito já se deparava com essa mensagem visual, que reforçava o ethos assembleiano.


Sobre esse símbolo da iconografia assembeliana assim nos diz Gedeon Alencar:
Um quadro muito antigo, denominado de 'Dois Caminhos', talvez a única representação artística da época, e mesmo assim, rejeitada por muitas igrejas, é o bom exemplo da adequação cultural do neopentecostalismo. 
No caminho largo - o caminho da perdição -, está o cinema, o teatro, o cassino, as festas, pessoas (muitas) bem vestidas com chapéus, luvas, casacos, cartolas, guarda-chuvas, etc. Muitos enfeites. No jargão evangélico: muita vaidade. Muito espaço. Repetindo, o caminho é largo. Uma grande porta de entrada com uma faixa de Bem-Vindo. No prédio do teatro tem uma frase: 'Profanação de domingo', uma das grandes ênfases da teologia em décadas passadas.
No outro lado, no caminho estreito - o caminho da salvação -, templos, casas de oração, tendas, pessoas (poucas) vestidas sem ostentação, com muita simplicidade, nenhum sinal de festas ou 'coisas mundanas'. Nem precisa dizer que não há nenhum cinema, teatro ou jogo, do lado de cá. Ao lado e todos os prédio, episódios e atitudes existem versículos bíblicos para 'fundamentar' a aprovação (caminho estreito), ou condenação (caminho largo), dos mesmos.
Por mera especulação, como seria atualmente o quadro 'os dois caminhos' em sua versão gospel? 
O cinema, o teatro, a dança, as belas roupas, as festas, os muitos enfeites, todos mudaram de lado, estão (também) no 'caminho estreito'. Aliás, agora, por causa da multidão que aderiu, tiveram que 'alargar' a estrada para caber tanta gente... De forma iconográfica, sejamos sinceros, não dá para retratar atualmente o caminho largo e o estreito. 
Não há, pelo menos na estética, nenhuma diferença. Ressalva seja feita: o cassino não mudou de lado. Ainda.

ALENCAR, Gedeon. Protestantismo tupiniquim: hipóteses sobre a (não) contribuição evangélica à cultura brasileira. São Paulo: Arte editorial, 2005.

12 comentários:

  1. kkkkkk... verdade... verdade... E ainda tem que acrescentar aqueles que pelo caminho estarão dizendo: "Isso não tem nada haver!" kkkkkkkk... Paz.

    ResponderExcluir
  2. O quadro é um ícone do pensamento protestante no século XX. Além do comentário do Gedeon, o Prof. Leonildo Silveira Campos da Universidade Metodista tem um excelente texto sobre a gravura: http://www.naya.org.ar/religion/XJornadas/pdf/7/7-campos.pdf

    ResponderExcluir
  3. Ola, desculpe a intromissao, mas estou fazendo uma pesquisa para encontrar um quadro como este em italiano e acredito que algumas informaçoes que estao sendo passadas na internet sao falsas porque se voce procurar por este quadro como "The two ways of life" nao vai encontrar nada de muito cristao... eu encontrei este quadro como uma foto feita na Alemanha com o nome "Der schmale und der breite" que quer dizer "Caminho largo e caminho estreito" e em italiano "La via larga e la via streta" (como mencionou meu marido de ter visto aqui na Italia na sua infancia), ou seja, acredito que algumas informaçoes como o ano da produçao e que veio de Londres sejam confusas... se souber informaçoes a respeito deste quadro e onde encontra-lo, por favor, estou fazendo o possivel para descobrir inclusive os versiculos escritos na versao original, que de tudo que vi até agora parece ser alema... Deus o abençoe!

    ResponderExcluir
  4. Varias fontes indicam a autoria: Charlotte Reihlen
    http://benkatchor.wordpress.com/2010/12/31/the-wide-and-narrow-path/
    http://www.pictureswithamessage.com/97/cat97.htm?931

    ResponderExcluir
  5. Me explica por favor, porque tem aquele simbolo maçon (olho que tudo vê) no alto da imagem, sendo que a representação é 'cristã'???

    ResponderExcluir
  6. No meu entender o olho que tudo vê é Deus pois nada esta em oculto a seus olhos como esta escrito ele é onisciente onipresente e onipotente b ou seja é único.
    Deus Criador do universo que pelos maçons é chamado de o grande arquiteto do universo, em algumas pesquisas que fiz li que a ordem maçônica foi fundada por Cristãos primitivos que buscavam o bem comum e acima de tudo tinha como ideal Crer em Deus sobre todas as coisas , mas hoje em dia tem muitas crenças misturadas nela assim como a igreja Cristã hoje esta muito corrompida com os costumes impostos pela sociedade moderna como o irmão Mario Sérgio disse : todos mudaram de lado, estão (também) no 'caminho estreito'. Aliás, agora, por causa da multidão que aderiu, tiveram que 'alargar' a estrada para caber tanta gente... De forma iconográfica, sejamos sinceros, não dá para retratar atualmente o caminho largo e o estreito.

    ResponderExcluir
  7. verdade gostaria de mais esclarecimento

    ResponderExcluir
  8. Como disse o nobre amigo, o olho simboliza Deus.
    O triangulo uma das instruturas mais resistentes na arquitetura, também simbolizando com seus três lados o Pai, Filho e Espirito Santo ou Liberdade, Igualdade e Fraternidade, tendo sempre Deus como centro de tudo...

    ResponderExcluir
  9. https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b2/Der_breite_und_der_schmale_Weg_2008.jpg

    ResponderExcluir
  10. O texto começa com a frase "quadro muito antigo" na realidade esta ilustração não é tão antiga assim se levarmos em conta que o quadro da Monaliza foi pintado a muito mais tempo e não é considerado como quadro antigo. Moises Rodrigues Borges

    ResponderExcluir